Vai a Plenário projeto que busca proteger alunos da presença de estranhos em escolas

12/05/2015 - Educação


Ana Amélia foi relatora da matéria de autoria do senador Paulo Bauer

Vai a Plenário projeto que busca proteger alunos da presença de estranhos em escolas

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou nesta terça-feira (12) projeto que obriga as escolas públicas de educação básica a registrarem, no ato da matrícula, os nomes das pessoas autorizadas a ingressar no estabelecimento de ensino para tratar de interesses do aluno, além dos próprios pais ou representantes legais. O objetivo é ampliar o controle de acesso, evitando a presença de gente estranha no ambiente escolar.

Os senadores optaram por manter o texto original do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), o Projeto de Lei do Senado (PLS) 572/2011, no lugar do substitutivo em exame (SDS 7/2015), que foi proposto pela Câmara dos Deputados quando a matéria tramitou naquela Casa. Agora a matéria seguirá ao Plenário, para decisão final.

Há apenas uma pequena diferença de redação entre o texto original e o do substitutivo. Nesse, os demais autorizados a ingressarem na escola para tratar de assuntos de interesse do aluno seriam também obrigados a manter seus dados atualizados durante o ano letivo, e não apenas os pais.

A relatora da matéria, senadora Ana Amélia (PP-RS), ao defender o texto original, considerou desnecessária a exigência. Segundo ela, caso a lista elaborada no ato da matrícula fique desatualizada, os responsáveis principais “sentirão, pelas próprias circunstâncias, a necessidade de realizar as alterações pertinentes”.

Controle

A proposta insere alteração no texto do Estatuto da Criança e do Adolescente. No debate, Ana Amélia salientou que a matéria propõe uma medida simples e ao mesmo tempo relevante para aumentar a segurança dos estudantes.

Bauer disse que sua intenção foi exatamente contribuir com a segurança dos alunos e que decidiu apresentar o projeto logo depois do episódio da chacina de crianças de uma escola Tasso de Oliveira, no Rio de Janeiro. O autor foi Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, que invadiu a escola armado com dois revólveres e começou a disparar contra os alunos presentes, matando doze deles.

O senador disse que, em um dos dois mandatos que exerceu como secretário de Educação de Santa Catarina, ele já havia adotado a exigência de identificação das pessoas a ingressarem nas escolas da rede básica estadual. Segundo ele, a tendência é de adoção da medida por toda rede privada de educação.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

8 de nov
MEC garante recursos para parque tecnológico em Bagé
O ministro da Educação, deputado Mendonça Filho, garantiu recursos para implantação do Parque Tecnológico da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) no campus de Bagé. O anuncio ocorreu em reunião com a senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), o deputado Afonso Hamm (Progressistas-RS) e os reitores…

MP da reforma do Fies é aprovada no Senado
O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (8) a medida provisória (MP 785/2017) que reformula o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Aprovada na forma de um projeto de lei de conversão (PLV 34/2017), a MP segue agora para sanção presidencial.Entre as principais mudanças,…

6 de nov
Estudantes de Direito da Universidade de Passo Fundo são recebidos no gabinete
Alunos do curso de Direito da Universidade de Passo Fundo (UPF), que visitam Brasília, estiveram no Congresso Nacional nesta segunda-feira (6). A turma de 23 estudantes, coordenada pela professora Edimara Sachet Risso, foi recebida pela senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) em seu…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail