Uso da aviação agrícola como aliada no combate ao mosquito da dengue é debatido na Comissão de Agricultura

09/06/2016 - Agricultura


Senadora Ana Amélia presidiu a audiência pública nesta quinta-feira

Uso da aviação agrícola como aliada no combate ao mosquito da dengue é debatido na Comissão de Agricultura

O combate ao mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, da Zika e da Chikungunya pode ter a aviação agrícola como aliada. Em audiência nesta quinta-feira (9) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS), representantes do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola defenderam a aplicação aérea de inseticidas como uma das alternativas para tentar evitar uma nova epidemia de dengue. Mas a proposta de fazer o "fumacê aéreo" nas cidades encontra resistência dentro do Ministério da Saúde.

Entre as vantagens do método, estão a velocidade do tratamento (mais de 400 hectares por hora), o efeito de choque sobre o mosquito adulto, o alcance em áreas que o "carro fumacê” não consegue atingir, uniformidade de deposição e o custo reduzido, de acordo com Júlio Augusto Kampf, vice-presidente do Sindag.

A proposta das empresas de aviação agrícola é escolher uma área piloto em uma região de epidemia da doença e, ali, utilizar um avião para aplicar o mesmo inseticida atualmente utilizado apenas por terra. A intenção é chegar a um protocolo de operações que garanta a segurança da população:

– Se estamos em guerra [contra o mosquito], vamos utilizar todas as ferramentas para diminuir a epidemia – disse Kampf.

O engenheiro agrônomo José Carlos Christofoletti registrou que o uso de aviões para combate a mosquitos é comum nos Estados Unidos e em diversos países da América Latina. No Brasil, a técnica também foi utilizada em 1975, quando  aviões agrícolas foram responsáveis pela eliminação dos focos de mosquitos Culex na região da Baixada Santista, em São Paulo.

A experiência de pulverização aérea realizada em 1975 não pode, no entanto, servir de parâmetro para determinar a segurança e a eficácia dessa prática de acordo com o Ministério da Saúde. A densidade demográfica e a organização das cidades eram diferentes segundo os argumentos. Além disso, oAedes aegyptie oCulextêm características diversas, o que poria em xeque o efeito do método.

A coordenadora-geral dos Programas Nacionais de Controle da Dengue e da Malária da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (MS), Ana Carolina Santelli, teme que a pulverização aérea de inseticidas para o controle de vetores cause doenças nos seres humanos. Ela defendeu o aprofundamento dos estudos antes que seja autorizada a realização de um projeto-piloto:

-Na implantação de uma estratégia em saúde pública temos um rito a seguir. O primeiro rito a seguir é ver se funciona. O segundo é ver se é seguro – disse a representante do Ministério da Saúde.

“Se o Ministério da Saúde se baseia em eficácia, segurança e novas tecnologias, a pesquisa com a aviação agrícola deve ser considerada”,  disse o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). Para o senador, o  uso de aviação agrícola no combate ao mosquito da dengue e zika é uma medida necessária:

- As empresas de aviação agrícola colocam avião à disposição, piloto à disposição e a única coisa que se pede do Ministério da Saúde é controle se está sendo feito corretamente.  Por que não fazer isso no Nordeste onde temos três mil casos de microcefacelia? – questionou o senador.

Ao defender o início imediato do projeto-piloto, Waldemir Moka (PMDB-MS) ponderou que o governo não pode esperar o começo de uma nova epidemia para agir:

- O Ministério da Saúde tem que dar uma abertura para isso. O correto seria que lugares que têm infestação grande sejam consultados para fazer o projeto-piloto. Ninguém está defendendo fazer isso massivamente – observou.

Uso da aviação agrícola como aliada no combate ao mosquito da dengue é debatido na Comissão de Agricultura


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail