União poderá reincorporar rodovias federais transferidas a estados

31/05/2016 - Geral


Maior parte das rodovias são do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Bahia

União poderá reincorporar rodovias federais transferidas a estados

A União está autorizada a reincorporar rodovias federais que haviam sido transferidas para estados e ao Distrito Federal. A medida foi aprovada nesta terça-feira (31) pelos senadores e enviada à sanção presidencial.

A Medida Provisória 708/15 determina que dos 14,5 mil quilômetros transferidos a 15 estados em 2002, pouco mais de 10 mil voltam a ser controlados pela União. A maior parte fica em três estados: Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Bahia. Os critérios para a mudança de gestão devem respeitar a Lei 12.379/2011, que trata do Sistema Nacional de Viação.

Na edição da MP, o governo federal justificou que algumas das rodovias transferidas há 14 anos estão em área de fronteira, o que contraria a Lei  6.634/79. A legislação determina que a faixa paralela de 150 quilômetros em regiões fronteiriças é de segurança nacional.

Outras argumentações são que está em vigor o programa de concessões de rodovias federais e obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em algumas dessas estradas, que não foram concluídas até dezembro do ano passado, a data limite para que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) destinasse recursos às rodovias repassadas aos estados. A MP permitiu que o Dnit retome esses investimentos desde janeiro de 2016.

Despesas

Ao concretizar a transação, a União e estados vão firmar um termo para que a cessão tenha caráter irretratável e irrevogável. Outra regra é que as despesas feitas pelos estados nas rodovias federais devolvidas à União serão de responsabilidade deles e não podem ser obrigação do governo federal. Os estados e o DF também deverão desistir de ações judiciais contra a União para pedir ressarcimento ou indenização por despesas anteriormente transferidas a eles.

História

O repasse de rodovias estaduais e do Distrito Federal à União foi autorizado pela MP 82/2002, editada em dezembro daquele ano. A proposta, porém, foi modificada pelo Congresso Nacional e por isso integralmente vetada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para preencher a lacuna legal o Dnit foi autorizado pela Lei 11.134/06 a investir nessas estradas até o fim de 2006. O prazo foi sucessivamente prorrogado até dezembro de 2015.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

18 de set
Raquel Dodge toma posse como Procuradora Geral da República
Tomou posse nesta segunda-feira (18) Raquel Dodge como nova Procuradora Geral da República. Primeira mulher a ocupar o cargo, Dodge disse que pretende reforçar o combate à corrupção, a defesa de direitos humanos, constitucionais e do meio ambiente, valorizando todas as áreas…

Ana Amélia renova disposição do gabinete em auxiliar municípios atingidos pelas chuvas na Fronteira Oeste
As chuvas que obrigaram mais de 200 famílias a sair de casa na região da Fronteira Oeste, no Rio Grande do Sul, foram um dos temas do discurso da senadora Ana Amélia (PP-RS) nesta segunda-feira (18), na tribuna…

14 de set
Alunos das Faculdades Integradas São Judas são recebidos no Senado
Cerca de 20 acadêmicos do curso de Direito das Faculdades Integradas São Judas Tadeu, de Porto Alegre, foram recebidos no gabinete da senadora Ana Amélia (PP-RS) nesta quinta-feira (14). A parlamentar explicou aos estudantes como é o funcionamento do gabinete, que…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail