Termo de cooperação visa melhoria do atendimento a portador de doença rara

01/03/2016 - Agricultura


Senadora Ana Amélia participou do Seminário Dia Mundial das Doenças Raras

Termo de cooperação visa melhoria do atendimento a portador de doença rara

Foi realizado, nesta terça-feira (1), o seminário Dia Mundial das Doenças Raras, onde foi assinado um termo de cooperação técnica entre a Frente Parlamentar Mista de Atenção Integral a Pessoas com Doenças Raras e o portal "Juntos somos raros", mantido pela Sociedade Brasileira de Genética Médica.
A Organização Mundial de Saúde define como doenças raras aquelas que acometem até 65 pessoas por grupo de 100 mil. As doenças raras são causadas em 80% dos casos por malformações genéticas.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) participou da abertura do evento. Em sua fala, destacou o trabalho no Senado para melhorar as condições de tratamento, como o PLS 530/2013, do qual foi relatora. A iniciativa tem objetivo de permitir a importação de medicamentos órfãos aos pacientes. Aprovado pelo Senado, o projeto está em tramitação na Câmara dos Deputados.

A presidente da Frente Parlamentar, deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), afirmou que o objetivo do convênio é deixar disponível um volume cada vez maior de informações sobre as doenças raras para a melhoria do atendimento à população nos estados. A deputada lembrou que o desconhecimento é o primeiro problema enfrentado pelos pacientes dessas doenças.

— A gente quer fazer com que todas as assembleias legislativas dos estados brasileiros tenham frente parlamentar sobre o assunto para fazer com que a informação seja disseminada e os estados façam uma rede de atuação — defendeu.

A presidente da Sociedade Brasileira de Genética Médica, Lavínia Faccini, afirmou que apesar de chamadas de raras, estima-se que essas doenças afetem 13 milhões de brasileiros que convivem com limitações, muitas vezes dolorosas.

— Se a gente imaginar que essas doenças raras muitas vezes afetam famílias - crianças com deficiências importantes, pessoas casadas - o impacto pode ser três vezes isso, se considerarmos apenas o núcleo básico de família — disse.

Política Nacional

Em 2014, entrou em vigor, por portaria do Ministério da Saúde, a Política Nacional de Atenção Integral à Pessoas com Doenças Raras, que tem por objetivo garantir qualidade de vida para essa parcela da população. A portaria prevê a criação de centros de atenção especializada para doenças raras.
O representante do Ministério da Saúde, Daniel Zanetti, afirmou que já foram solicitados pelos estados cinco centros e três já foram aprovados e esperam financiamento. Mas reconhece que ainda existe muita dificuldade, principalmente em relação ao diagnóstico.

— Há uma necessidade de diagnóstico correto para esses pacientes porque o diagnóstico errado muitas vezes leva a um custo desnecessário para o SUS, além de muitas vezes complicar o quadro clínico desses pacientes. Portanto, a gente tem que trabalhar para que o diagnóstico seja feita o mais rápido possível — defendeu.

O Dia Mundial de Doenças Raras é comemorado no último dia de fevereiro, justamente porque é um mês onde nos anos bissextos existe o dia 29, também raro.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

19 de out
Ana Amélia sugere compra do excedente de leite para amenizar crise no setor
Na Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, nesta quinta-feira (19), a senadora Ana Amélia (PP-RS) sugeriu que a Agência Brasileira de Cooperação do Itamaraty ative, através dos acordos internacionais, a compra do excedente de leite e doe…

11 de out
No Plenário, Ana Amélia reforça reivindicação da cadeia produtiva do leite
No Plenário do Senado, nesta quarta-feira (11), a senadora Ana Amélia (PP-RS) destacou reivindicação importante aguardada pela cadeia produtiva do leite: a aquisição dos estoques excedentes pelo governo para reduzir a oferta no mercado interno e amenizar a crise no…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail