Técnicos sugerem mudanças em projeto que obriga bolsista a colaborar com ensino público

03/05/2015 - Agricultura


Relatora do projeto de autoria do senador Cristovam Buarque, senadora Ana Amélia participou do debate na Comissão de Educação

Técnicos sugerem mudanças em projeto que obriga bolsista a colaborar com ensino público

Especialistas defenderam mudanças no PLS 224/2012, que obriga bolsistas de programas da União a colaborarem com as escolas de educação básica.Em audiência na Comissão de Educação (CE) nesta quarta-feira (6), eles foram unânimes em concordar com o mérito da iniciativa, mas manifestaram preocupação com a forma de colocar a proposta em prática para que ela não vire letra morta.

De autoria do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), o projeto determina que os universitários prestem serviços de divulgação, formação e informação científicas por pelo menos quatro horas semanais. Seria uma forma de os bolsistas devolverem à sociedade parte do conhecimento que adquiriram por meio de programas que consomem recursos públicos.

O diretor de Políticas e Programas de Graduação da Secretaria de Educação Superior do MEC, Dilvo Ilvo Ristoff, alertou para a existência de dezenas de tipos de bolsas oferecidas atualmente pelo governo, o que dificultaria a aplicação da lei:

— Cada um dos programas tem um mundo próprio com peculiaridades. O projeto se aplica a todos esses bolsistas? Em caso afirmativo, teremos muitas dificuldades, pois são situações muito distintas. Temos bolsas de caráter totalmente social e outras mais meritocráticas, ligadas ao talento do estudante — afirmou.

Segundo ele, o texto do projeto deveria definir quais bolsistas seriam obrigados a colaborar ou deixar claro que caberá ao Ministério da Educação definir.

Para o secretário de Educação do Distrito Federal, Júlio Gregório Filho, a iniciativa é bem-vinda, mas não pode estar deslocada de um processo de reestruturação do currículo da educação básica.

— O projeto tem mérito, pois a interação entre universidade e educação básica é fundamental. Mas uma proposição como essa tem que estar acoplada à reforma curricular do ensino médio, senão vira algo mais para o gestor da escola administrar — opinou.

O representante do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Adão Francisco de Oliveira, e a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Cleuza Repulho, disseram que é preciso avaliar a forma como a lei será aplicada. Para eles, a obrigatoriedade precisa ser reavaliada e, além disso, nem todas as áreas universitárias têm influência direta ou são necessárias à educação básica. Dessa forma, nem todos os bolsistas teriam condições de dar uma contribuição útil aos estudantes do ciclo básico.

Já o reitor da Universidade de Brasília (UnB), Ivan Marques de Toledo Camargo, disse que o jovem estudante precisa mesmo ter contato com a carreira de pesquisador, para que desenvolva o gosto pela iniciação científica. Porém, na opinião dele, já existe uma excessiva regulamentação das universidades, o que retira a autonomia das instituições.

Relatório

Depois de ouvir os convidados, a relatora do projeto, a senadora Ana Amélia (PP-RS), informou que as sugestões apresentadas vão ser levadas em conta na elaboração do relatório. Ela disse que compreendeu o espírito da proposta, que é compartilhar com a sociedade um benefício pago por ela mesmo aos bolsistas.

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN), vice-presidente da CE, que coordenou a audiência, disse que, pela complexidade, é preciso debater mais o assunto. 

Técnicos sugerem mudanças em projeto que obriga bolsista a colaborar com ensino público



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

24 de jun
Agentes da PRF agradecem atuação da senadora Ana Amélia para atender demandas da categoria
Agentes do Posto de Controle da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai, agradeceram o empenho da senadora Ana Amélia (PP-RS) na relatoria do projeto de lei que reajustou o salário…

23 de jun
Censo Agropecuário 2017 é lançado no Rio Grande do Sul
O Censo Agropecuário 2017 do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE) foi lançado no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira (23), em evento na Emater/RS-Ascar. Em todo o Brasil, 26 mil profissionais visitarão 5,3 milhões de propriedades rurais, sendo 425 mil no…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail