Senadores cobram reforço na assistência técnica aos pequenos agricultores

14/05/2015 - Agricultura


Presidida pela senadora Ana Amélia, Comissão de Agricultura fez o primeiro debate de análise da política nacional de assistência técnica e extensão rural

Senadores cobram reforço na assistência técnica aos pequenos agricultores

As dificuldades dos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) foram apontadas por todos os senadores presentes à audiência pública desta quinta-feira (14) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). Eles cobraram ampliação do serviço para garantir orientação técnica permanente aos agricultores.

Para os parlamentares, a melhoria da produtividade na agricultura familiar e nas médias propriedades rurais depende do acompanhamento sistemático de agrônomos e técnicos agrícolas, orientando o agricultor quanto às soluções mais adequadas em cada fase da atividade agrícola.

— O papel do extensionista é pegar as pesquisas, ver o que tem de bom, envolvendo a Embrapa, e levar isso até o pequeno agricultor, para aumentar a produtividade, melhorar o manejo, enfim, para levar a ele as tecnologias agrícolas — resumiu o senador Waldemir Moka (PMDB-MS).

Ao concordar com o colega, a presidente da CRA, senadora Ana Amélia (PP-RS), ressaltou a importância do acesso a inovações tecnológicas para que os agricultores possam viabilizar suas atividades no campo.

— Não adianta pensar em agricultura sem assistência técnica. A diversificação da agricultura requer uma boa assistência técnica — complementou Ana Amélia, ao elogiar a atuação da Emater/RS, empresa de extensão rural de seu estado.

O debate é parte do cronograma aprovado na CRA para avaliação da Política de Assistência Técnica e Extensão Rural, que terá como relator o senador Donizeti Nogueira (PT-TO).

Agricultura familiar

A carência de técnicos no campo, percebida pelos senadores, se confirma no alcance restrito da política de Ater. Nos cinco anos de vigência da Lei 12.188/2010, que instituiu a política, apenas 435,9 mil unidades familiares de produção foram atendidas, cerca de 10% do universo de 4,3 milhões de estabelecimentos familiares brasileiros.

Conforme Hur Ben Correia da Silva, representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no debate, esse atendimento é feito por 13 mil técnicos e as agricultoras já representam 57% do público atendido.

— Isso demonstra uma mudança substancial na extensão rural, que antes via a mulher como dona de casa, que cuidava da nutrição, da higiene, da educação das crianças. Hoje temos a perspectiva de uma mulher produtiva, em igualdade de condições com o homem — revelou.

Ele apontou a participação expressiva da extensão rural na implementação de políticas públicas, como o seguro rural e as compras institucionais, e, entre as ações de Ater coordenadas pelo MDA, a política de incentivos à agroecologia e à produção orgânica, visando à construção de uma matriz produtiva limpa.

Coordenação

Os senadores também manifestaram preocupação com a implantação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), regulamentada há um ano, por meio do Decreto 8.252/2014, mas ainda não implantada.

— Estamos diante de uma crise financeira e de orçamento. Os projetos discutidos [na audiência pública] são relevantes, mas teremos de fato a Anater funcionando? Vamos ter orçamento? — questionou Ana Amélia.

A agência coordenará os programas de Ater e fará a integração entre os ministérios envolvidos na extensão rural. Terá ainda a competência de monitorar e avaliar os resultados dos serviços prestados aos agricultores.

A ação da agência, na opinião de Luiz Rangel, representante do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), será essencial para evitar a sobreposição de trabalho dos órgãos públicos. Conforme explicou, o ministério ficará responsável por atender o médio produtor rural.

Em resposta ao senador Donizete Nogueira, Rangel explicou que esse público é responsável por 552 mil estabelecimentos rurais, 10% do total, e apresenta demandas específicas de inovações tecnológicas. A preocupação do Mapa, disse, será no monitoramento da assistência aos médios produtores.

— Temos de avaliar e monitorar, para que possamos ter certeza de que essas ações estão dando resultados. A coisa não pode simplesmente se reduzir em quatro visitas anuais. Temos de enxergar lá na frente — frisou.

Educação continuada

Representando o Ministério da Pesca na audiência pública, Alexandre Luiz Giehl destacou o aspecto de educação não formal continuada na oferta dos serviços de Ater . Como resultados esperados, afirmou, estão avanços na produção de alimentos, na proteção ambiental e no desenvolvimento social.

Ao citar dados do Censo Agropecuário, ele informou que os agricultores que recebem assistência técnica chegam a obter renda até três vezes maior que os que não recebem essa orientação.

Reforma agrária

A falta de assistência técnica nos assentamentos de reforma agrária também foi preocupação apontada pelos parlamentares. Wellington Fagundes (PR-MT) disse ser comum em seu estado a venda de lotes e o desvirtuamento do projeto original do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

— Muitos desses assentamentos estão próximos de cidades e se transformaram em chácaras de lazer ou investimentos privados. Muitos dos assentados já não são mais da clientela da reforma agrária — relatou.

A precariedade da produção agrícola realizada nos assentamentos se repete em Rondônia, de acordo com o senador Acir Gurgacz (PDT-RO).

— Tem assentamentos que são depósitos de famílias, sem nenhuma orientação técnica. As famílias vendem seu lote, fazem dinheiro e voltam para a cidade — disse.

Já o senador Lasier Martins (PDT-RS) classificou como constrangedora a situação de acampamentos de trabalhadores rurais sem terra no Rio Grande do Sul e cobrou providências.

Conforme o diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento do Incra, Cesar Aldrighi, o órgão enfrenta restrição de recursos para contratação de Ater e, em algumas regiões, faltam profissionais para atender as chamadas públicas prestação de assistência técnica.

Conforme informou, o país tem 9.109 assentamentos de reforma agrária, beneficiando 957,7 mil famílias, em 2.027 municípios. Os serviços de Ater, disse, alcançam um terço do total de famílias, mas é pretensão do órgão universalizar o atendimento até 2019.

Para averiguar a qualidade da assistência técnica sob a coordenação do Incra, a comissão poderá realizar visitas a assentamentos de reforma agrária, conforme indicação dos senadores.

Endividamento

Por sugestão do senador José Medeiros (PPS/MT), a Comissão de Agricultura solicitará ao Ministério do Desenvolvimento Agrário informações sobre o endividamento de pequenos agricultores. O parlamentar relatou dificuldades de agricultores em seu estado em honrar o pagamento dos financiamentos contraídos.

— Há gente que deve R$ 70 mil, outros devem R$ 80 mil, outros devem R$ 100 mil. Parece pequeno, mas essas pessoas não têm a mínima condição de pagar, elas têm, no máximo, um galinheiro. É um problema muito grave — afirmou.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

9 de nov
Farsul e Federarroz entregam demandas ao ministro da Agricultura
O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, e o vice-presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Ferreira, apresentaram ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, demandas do setor para equiparar os custos de produção no Brasil, aos dos países do Mercosul.…

8 de nov
Senadora garante apoio à demanda dos produtores brasileiros de cebola
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) vai solicitar o apoio dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Agricultura, Blairo Maggi, ao pedido da Associação Nacional dos Produtores de Cebola (ANACE) para aumentar de 10% para 35%…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail