Senado aprova PEC proibindo governo federal de criar despesas a Estados e municípios sem fonte de receitas

17/02/2016 - Economia


Proposta é semelhante à iniciativa já apresentada pela senadora Ana Amélia, aprovada em agosto pelos senadores

Senado aprova PEC proibindo governo federal de criar despesas a Estados e municípios sem fonte de receitas

O Senado aprovou em segundo turno, nesta quarta-feira (17), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC)128/2015, que impede a criação de leis que imponham ou transfiram encargos financeiros para a União, estados, municípios e Distrito Federal sem fonte de receita ou respectiva transferência de recursos por parte do governo federal. O texto foi aprovado com 57 votos favoráveis, não houve votos contrários nem abstenções. A proposta volta agora para novo exame da Câmara dos Deputados, por ter sido emendada.

De autoria do deputado Mendonça Filho (DEM-PE), a PEC 128 tem a mesma finalidade daPEC 84/2015, aprovada em agosto de 2015 pelo Senado e que espera análise da Câmara dos Deputados. Assim como o texto dos deputados, a proposta articulada pela senadora Ana Amélia (PP-RS) busca atender antiga reivindicação de estados e municípios contra a criação de programas federais com execução a cargo de estados e municípios. Os entes federativos alegam não ter mais como assumir os crescentes encargos decorrentes desses programas.

No debate nesta quarta-feira, os senadores aprovaram a emenda de autoria do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) que mantém as regras de reajuste dos pisos salariais nacionais dos professores do ensino básico, dos agentes comunitários de saúde e dos agentes de combate a endemias.

Foi rejeitada a emenda do senador Ricardo Ferraço (sem partido-ES) que proibiria a União de reduzir alíquotas de alguns impostos sem que estados e municípios fossem recompensados pela perda de arrecadação decorrente dessas desonerações. A discussão da emenda dividiu o Plenário, opondo senadores de estados mais desenvolvidos e senadores de estados menos desenvolvidos.

O texto estabelece que os atos sobre os repasses de serviços e encargos somente poderão vigorar se existir dotação orçamentária para o pagamento das despesas decorrentes.

CCJ

Uma emenda de autoria do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), acolhida pelo relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), Humberto Costa (PT-PE),  tornou o texto da PEC 128 semelhante ao texto original da senadora Ana Amélia (PEC 84). Humberto Costa concordou com a justificação dos deputados de que a emenda é necessária como forma de assegurar o equilíbrio financeiro dos entes nacionais, assim como sua capacidade de executar políticas públicas.

Humberto Costa afirma em seu relatório que as alterações no texto constitucional são importantes inclusive para proteger o orçamento da União. Isso porque fica vedada a aprovação de qualquer ato normativo sem que exista dotação orçamentária no próprio orçamento da União destinada a seu pagamento ou que estejam baseadas em aumento permanente de receita ou redução perene de despesa no âmbito federal. O objetivo é compensar os efeitos financeiros da nova obrigação assumida.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

20 de set
PEC da senadora pode servir como base no debate sobre compensação aos Estados em função da Lei Kandir
A PEC 22/2014, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), que prevê a troca do pagamento da dívida dos Estados com os créditos fiscais das exportações, decorrentes da Lei Kandir, conta com o…

14 de set
Ana Amélia: aparelhamento político provocou estrago no patrimônio dos trabalhadores da Petrobras
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (13), a senadora Ana Amélia falou sobre o rombo no Petros, fundo de pensão dos funcionários e aposentados da Petrobras, que foi administrado pelo PT, de R$ 14 bilhões. — O aparelhamento político fez…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail