Seminário da CNI debate cenário político e econômico do País e prioridades para o setor industrial

02/02/2016 - Geral


Senadora Ana Amélia participou de painel no evento promovido pela Confederação Nacional da Indústria, nesta terça-feira

Seminário da CNI debate cenário político e econômico do País e prioridades para o setor industrial

Na Confederação Nacional da Indústria (CNI), ao participar do Seminário Redindústria - Construindo a Agenda Legislativa 2016, nesta terça-feira (2), a senadora Ana Amélia reafirmou sua posição contra o aumento de impostos e ressaltou que o governo não faz a sua parte, pois não põe fim à gastança desenfreada. A parlamentar gaúcha foi uma das debatedoras no painel "Cenário Político e Econômico".

— O ambiente para o empreendedor é o pior possível. O governo cobra muito imposto e não é eficiente — disse a parlamentar.

Ana Amélia disse que se depender do seu voto, a CPMF não passará no Congresso Nacional e lembrou que a arrecadação com o tributo, quando estava em vigor, não foi aplicada na saúde, como deveria.

O painel, mediado pela jornalista Eliane Cantanhêde, conta também com a participação dos deputados Mendonça Filho e Nilson Leitão, da senadora Rose de Freitas, do presidente do Conselho de Assuntos Legislativos, Paulo Afonso Ferreira, e da diretora da CNI, Mônica Messemberg.

Seminário da CNI debate cenário político e econômico do País e prioridades para o setor industrial

Seminário da CNI debate cenário político e econômico do País e prioridades para o setor industrial

O presidente do CAL, Paulo Afonso Ferreira, na fala de abertura do evento, disse que diante de um processo de ajuste econômico incompleto e da indefinição de uma agenda de longo prazo, o Congresso Nacional será determinante na aprovação de propostas que assegurem a melhora do ambiente de negócios do país. Segundo ele, sem avanços concretos em reformas estruturais, a economia deve seguir em recessão e aprofundar a retração da indústria. 


— É inaceitável para um país do nível de desenvolvimento do Brasil ter uma indústria de pequena magnitude. Esse quadro precisa ser mudado com urgência — afirmou.

Já o deputado Nilson Leitão disse que o pior trabalho escravo é desempregar o trabalhador e disse que a saída para a crise é a saída da presidente Dilma. Mendonça Filho disse que o Brasil tem um Estado inchado, em que as promessas de cortar cargos de confiança não são cumpridas, a carga tributária é elevada e o governo só quer arrancar mais dinheiro da sociedade, ao citar a CPMF. Rose de Freitas pregou a união das instituições para empurrar o governo contra a parede para que sejam criadas alternativas. A mediadora, Eliane Cantanhêde, na sua fala, apresentou dado divulgado pelo IBGE da queda do setor industrial, de 8,3%, um recorde negativo histórico.

Agenda Legislativa

O encontro reuniu mais de 200 técnicos da CNI, das 27 federações e 60 associações setoriais da indústria para construir a 21ª Agenda Legislativa da Indústria, documento que reúne as propostas prioritárias para a agenda de competitividade do Brasil, e seguiu até quarta-feira.


Com informações do Portal da Indústria


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

18 de ago
Em Nova Hartz, Ana Amélia recebe demandas do setor calçadista
Em roteiro no Vale dos Sinos nesta sexta-feira (18), a senadora Ana Amélia (PP-RS), esteve reunida em Nova Hartz com o prefeito, Flavio Jost, e representantes do setor calçadista que apresentaram os principais desafios enfrentados para empreender. A mais insistente demanda é que…

16 de ago
TRE-RS conclui estudo sobre o impacto do rezoneamento eleitoral no estado
O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS), desembargador Carlos Marchionatti, comunicou à senadora Ana Amélia (PP-RS), nesta quarta-feira (16), que foi concluído memorial detalhando como o rezoneamento previsto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) prejudicará os eleitores gaúchos…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail