Relatório da MP 774 é aprovado e mantém desoneração para setores coureiro-calçadista, têxtil e TI

28/06/2017 - Economia


Relator acatou parcialmente emendas apresentadas pela senadora Ana Amélia

Comissão mista aprova relatório da MP 774. Destaques serão votados na semana que vem

A comissão mista que analisa a MP 774 aprovou nesta quarta-feira (28), no Senado, o relatório do senador Airton Sandoval (PMDB-SP), mantendo a desoneração de setores importantes para a economia como o coureiro-calçadista, têxtil e de tecnologia da informação. A emenda, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), previa também a inclusão do setor de equipamentos hospitalares, mas não foi acatada pelo relator. Senadores e deputados acordaram votar os destaques na próxima semana, quando setores que não foram incluídos no relatório poderão ser atendidos. 

Pelo menos 15 destaques devem ser analisados na semana que vem, quando a comissão mista voltará a se reunir. Entre os setores que podem ter a desoneração mantida está o transporte coletivo de passageiros. 

A MP 774 foi publicada pelo governo no final de março. A medida eleva a tributação sobre a folha de pagamentos das empresas e, também, a cobrança do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) para cooperativas de crédito.

Comissão mista aprova relatório da MP 774. Destaques serão votados na semana que vem



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Relatório da MP 774 é aprovado e mantém desoneração para setores coureiro-calçadista, têxtil e TI


Mais notícias:

1 de nov
Senado aprova projeto para desenvolvimento da metade sul do Rio Grande do Sul
O Senado aprovou, nesta quarta-feira (31), por unanimidade — 53 votos favoráveis — o projeto que autoriza a criação de uma região integrada para o desenvolvimento da Metade Sul do Rio Grande do Sul. A ideia é definir…

10 de ago
Ana Amélia é contra aumento de salário para ministros e parlamentares
A decisão tomada pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal de conceder reajuste em seus próprios vencimentos, a partir do ano que vem, em 16,38%, "é inoportuna e provoca um preocupante efeito-cascata nas despesas públicas. O alerta foi feito…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail