Redução no imposto para a importação de calçados esportivos põe em risco empregos no setor

8 de mai - Economia


Audiência no Senado, nesta terça-feira, foi requerida pela senadora Ana Amélia

Redução no imposto para a importação de calçados esportivos põe em risco empregos no setor

Responsável por gerar mais de 280 mil empregos em 2017, o setor calçadista poderá ser duramente atingido caso o governo reduza a alíquota para a importação de calçados esportivos. Essa foi a conclusão de audiência pública realizada nesta terça-feira (08), na Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS). 

No debate, requerido pela senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), representantes da indústria de calçados, de empresas estrangeiras do setor, do governo e de trabalhadores na indústria calçadista apontaram os principais impactos caso a medida seja adotada. A senadora gaúcha alertou que a redução do imposto trará consequências negativas nos campos social e econômico.

— Caso seja reduzido para 20%, como proposto pelos importadores, deverá aumentar o desemprego neste dinâmico setor, que recém se recuperara de uma grave crise — alertou.

O presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, disse que a redução no imposto impactaria no setor e, consequentemente, na economia brasileira. Klein revelou que apenas a fabricação de calçados gera, por ano, em massa salarial, R$ 5 bilhões. A atividade está presente em 25 estados.

Da mesma opinião, o representante do Sindicato da Indústria Calçadista de Parobé, Pedro Grendene, ponderou que a alíquota de 35% cobrada hoje é uma forma de equilibrar a competitividade entre a indústria brasileira e as empresas estrangeiras.

O secretário-Geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias do Setor Têxtil, Vestuário, Couro e Calçados – CONACCOVEST, Rogério Aquino, também mostrou preocupação com a mudança.

— Só o setor de calçados gera 285 mil empregos diretos. Estamos falando de mão de obra qualificada. Se essas pessoas perdem o emprego, precisamos refazer todo o trabalho de formação desses profissionais — disse.

A presidente da Associação da Indústria e Comércio Esportivo, Marina Egydio de Carvalho, ponderou que o pedido das empresas estrangeiras é pela redução do imposto no período de um ano. Marina argumentou que entre 2014 e 2017 essas empresas investiram R$ 4 bilhões no Brasil, somada a mesma quantia apenas em tributos.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

3 de dez
“Brasil pode ser expulso de grupo internacional”, alerta senadora
Investimentos estrangeiros no Brasil serão dificultados se o Congresso Nacional não aprovar o projeto que trata do combate ao terrorismo e à lavagem de dinheiro. O alerta é da senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), que nesta segunda-feira (3) foi à tribuna do Senado…

28 de nov
Ana Amélia recusa benefício de R$ 33,7 mil e destaca projeto para acabar com auxílio-mudança
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) encaminhou ofício à Diretoria-Geral do Senado solicitando que não seja pago a ela o benefício conhecido como “auxílio-mudança”, destinado aos senadores eleitos e reeleitos e também aos que não conseguiram se reeleger.…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail