Projeto que agiliza pesquisas clínicas é aprovado na CCJ do Senado

12/08/2015 - Saúde


Matéria é de autoria dos senadores Ana Amélia, Waldemir Moka e Walter Pinheiro, e foi relatada por Eduardo Amorim

Projeto que agiliza pesquisas clínicas é aprovado na CCJ do Senado

O Brasil é um dos países que mais demoram na autorização e condução dos protocolos de pesquisas clínicas. O tempo para a liberação de uma pesquisa no país varia entre 10 e 15 meses, enquanto no restante do mundo o prazo médio é de 3 a 6 meses. Nesta quarta-feira (12), a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou projeto que pode contribuir para agilizar esse processo.

Apresentado em conjunto pela senadora Ana Amélia (PP-RS) e pelos senadores Waldemir Moka (PMDB-MS) e Walter Pinheiro (PT-BA), o  Projeto de lei do Senado (PLS) 200/2015foi aprovado na CCJ com cinco emendas do relator, senador Eduardo Amorim (PSC-SE) - na foto, com a senadora Ana Amélia. O textosegue para votação nas Comissões de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e de Assuntos Sociais (CAS).

— A iniciativa pode ser referência para milhares de brasileiros, trazendo mais chances de cura e melhorando a qualidade de vida dos pacientes em todo o País. Queremos, com essa iniciativa, que as pesquisas clínicas sejam adequadas ao direito dos cidadãos brasileiros — enfatizou Ana Amélia.

Histórico

O assunto começou a ser debatido no Senado em março de 2014, após contato com o gabinete da senadora Ana Amélia feito pelo paciente de câncer de pulmão de Ijuí (RS), Afonso Celso Haas, 56 anos, voluntário em um tratamento da doença, coordenado pelo diretor do Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI), Fábio Franke. O caso motivou a realização de audiência pública com médicos, pesquisadores, representantes de entidades e do governo federal na Comissão de Assuntos Sociais, onde ficou evidente a burocracia existente no Brasil nesse processo. Os próximos passos foram a criação de um grupo de trabalho e a apresentação do projeto em análise no Senado.

O projeto

Para tornar mais ágeis as liberações das pesquisas, o projeto contém dispositivos que visam proteger a saúde do sujeito da pesquisa, mediante a garantia de assistência médica com pessoal qualificado durante toda a execução do estudo. Também prevê garantia de acesso ao medicamento experimental pós-estudo, quando ele se mostrar mais benéfico e indispensável para a continuidade do tratamento do sujeito após o término da pesquisa.

O projeto também estabelece a exigência de revisão ética por parte de comitês de ética em pesquisa; liberdade para o participante se retirar a qualquer momento do estudo; condução da pesquisa por equipe constituída de pessoas cientificamente qualificadas e de forma a evitar sofrimento e danos desnecessários; suspensão dos procedimentos quando se evidenciar possibilidade de dano, invalidez ou morte; obrigatoriedade de dar publicidade aos resultados; e teste de novos métodos terapêuticos em comparação com os métodos existentes, entre outros.

A proposta define ainda, entre outras exigências a serem cumpridas em face do processo de revisão ética, o prazo de 30 dias para emissão do parecer final e a direção a ser adotada para a sua conclusão, além de procedimentos especiais para pesquisa clínica de relevância para o atendimento a emergência de saúde pública, cujo parecer final deverá ser proferido no prazo de 10 dias.

Procedimentos

O projeto estabelece condições para a participação de criança, do adolescente ou de pessoa adulta incapaz de expressar validamente a própria vontade, ainda que circunstancialmente, em pesquisa clínica e, também, de mulheres grávidas.

Indenização ao sujeito da pesquisa por eventuais danos sofridos em decorrência de sua participação em ensaio clínico é outra das medida prevista na proposta. O texto estabelece ainda que o promotor e o investigador principal são responsáveis solidários pelos danos causados ao sujeito em decorrência de sua participação no estudo, bem como por prover a atenção integral à sua saúde.

Projeto que agiliza pesquisas clínicas é aprovado na CCJ do Senado

Remuneração

O projeto detalha as condições que devem reger o termo de consentimento e as informações a serem fornecidas ao sujeito da pesquisa. A ele serão garantidos o anonimato, o sigilo das informações e providas as condições para a sua privacidade, sendo-lhe vedadas a remuneração ou a concessão de qualquer tipo de vantagem por sua participação em ensaio clínico. Não se configura como remuneração ou vantagem o ressarcimento de despesas com transporte ou alimentação e outros tipos de ressarcimento, segundo o protocolo da pesquisa.

A participação de sujeitos saudáveis em pesquisa de fase inicial, quando não houver benefícios terapêuticos diretos a esses participantes, pode ser remunerada, desde que observe as condições previstas no projeto. O valor da remuneração para esses casos não é definido no projeto.

As emendas do relator estabelecem a observância do equilíbrio de gênero na composição dos comitês de ética e do controle social; a máxima independência dos comitês de ética; a responsabilidade do investigador em prestar os cuidados médicos aos participantes da pesquisa durante toda a sua execução; maior proteção ao sujeito da pesquisa em caso de uso de placebo; e a eliminação de ambiguidades que possam comprometer o direito de acesso do participante ao medicamento experimental no pós-estudo.

Pesquisa

Os comitês de ética em pesquisa (CEP) e os comitês de ética independente (CEI) devem ser integrados por, no mínimo, cinco membros, sendo ao menos um oriundo de área de interesse de caráter não científico e, pelo menos, um sem vínculo com a instituição ou centro de estudo. Os registros relevantes da pesquisa ficarão sob a guarda do CEP ou CEI por até três anos após a sua aprovação, e disponibilizadas à autoridade sanitária quando solicitados.

A utilização de placebo, de acordo com o projeto, só é admitida quando inexistir tratamento convencional para a doença objeto da pesquisa clínica ou em casos excepcionais, para atender exigência metodológica justificada, desde que não implique riscos adicionais de dano grave ou irreversível para o sujeito da pesquisa.

Ao término do estudo, o promotor garantirá ao sujeito da pesquisa o fornecimento gratuito do medicamento experimental que tenha apresentado maior eficácia terapêutica ou relação risco/benefício mais favorável que o tratamento de comparação. O fornecimento será garantido sempre que diante de risco de morte ou de agravamento clinicamente relevante da doença. Ou ainda no caso de ausência de alternativa terapêutica satisfatória no país para a condição clínica do sujeito da pesquisa, a critério do médico assistente.

Projeto que agiliza pesquisas clínicas é aprovado na CCJ do Senado




Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Projeto aprovado na CCJ reduz burocracia em pesquisas clínicas


Mais notícias:

24 de jun
Projeto Sorria Santa Maria visa zerar demanda de atendimentos odontológicos no município
A senadora Ana Amélia conheceu na manhã de sábado (24) o projeto Sorria Santa Maria, parceria da Prefeitura com os cursos de Odontologia da Unifra (Centro Universitário Franciscano) e da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) e da Residência Multiprofissional em…

21 de jun
Ana Amélia entrega ao ministro da Saúde demandas para a recuperação das Santas Casas
Em reunião com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta quarta-feira (21), a senadora Ana Amélia (PP-RS) apresentou pedido de entidades que representam Santas Casas de todo o país para aumentar Incentivo de Adesão à Contratualização dos Hospitais Filantrópicos…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail