Projeto da senadora Ana Amélia quer desburocratizar pesquisas com novos medicamentos no Brasil

31/01/2016 - Saúde


Matéria, apresentada em conjunto com os senadores Waldemir Moka e Walter Pinheiro, está pronta para ser votada em mais uma comissão do Senado

Projeto da senadora Ana Amélia quer desburocratizar pesquisas com novos medicamentos no Brasil

Está pronto para ser votado na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado o projeto de lei (PLS 200/2015) da senadora Ana Amélia (PP-RS) para desburocratizar as pesquisas clínicas com novos medicamentos no Brasil. A iniciativa conta ainda com as assinaturas dos senadores Waldemir Moka (PMDB-MS) e Walter Pinheiro (PT-BA).

A iniciativa consiste em um novo marco regulatório às pesquisas clínicas, com objetivo de agilizar seus registros para a liberação de testes com novos medicamentos. Conforme acrescenta Ana Amélia, a proposta pretende retirar o Brasil da incômoda posição de um dos países mais atrasados na aprovação de protocolos de pesquisas. Aqui, a demora é de pelo menos um ano, podendo chegar a 15 meses, enquanto em outros países varia de um mês a no máximo seis meses.

— É exatamente para desburocratizar o processo de registro das pesquisas clínicas, para beneficiar sobretudo pacientes de doenças como câncer e Alzheimer, por exemplo, que apresentamos esse projeto — explica a senadora.

O projeto já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, sob a relatoria do senador Eduardo Amorim (PSC-SE). O atual relator, na CCT, é o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). Ainda precisará passar pela Comissão de Assuntos Sociais para, depois, seguir à Câmara dos Deputados.

Em pesquisa no site Vote na Web, 90% dos internautas que votaram são favoráveis à iniciativa e 63% consideram uma medida urgente. Em agosto do ano passado, um grupo de mais de 40 médicos e pesquisadores divulgou manifesto público nos principais jornais do país cobrando mudança de postura do País para acabar com a burocracia na pesquisa clínica.

O assunto começou a ser debatido no Senado em março de 2014, após contato com o gabinete da senadora Ana Amélia feito pelo paciente de câncer de pulmão de Ijuí (RS), Afonso Celso Haas, 56 anos, voluntário em um tratamento da doença, coordenado pelo diretor do Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI), Fábio Franke. O caso motivou a realização de audiência pública com médicos, pesquisadores, representantes de entidades e do governo federal na Comissão de Assuntos Sociais, onde ficou evidente a burocracia existente no Brasil nesse processo. Os próximos passos foram a criação de um grupo de trabalho e a apresentação do projeto em análise no Senado.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

18 de out
Ações apoiadas pelo Fundo Nacional de Saúde receberão emendas da CAS
A Comissão de Assuntos Sociais (CAS), nesta quarta-feira (18), aprovou quatro emendas de apropriação e uma de remanejamento ao Projeto de Lei Orçamentária de 2018 (PLN 20/2017). Com 260 propostas protocoladas, o relator das emendas na CAS adotou como critério a aglutinação…

Santa Casa de Porto Alegre celebra 241 anos
Na tribuna do Senado nesta quarta-feira (18), a senadora Ana Amélia (PP-RS) comemorou a celebração dos 241 da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Situado no coração da capital Gaúcha, o complexo hospitalar atende pacientes de todo o do Rio…

17 de out
Especialistas defendem uso de ozonioterapia para tratamento terapêutico
A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) promoveu, nesta terça-feira (18), audiência pública sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 227/2017, que autoriza a prescrição da ozonioterapia em todo o país. Defensores da ozonioterapia – aplicação de ozônio e oxigênio com finalidade terapêutica…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail