Produtores de maçã apresentam demandas em audiência da CRA

09/09/2016 - Agricultura


Audiência aconteceu nesta sexta-feira em São Joaquim (SC)

Produtores de maçã apresentam demandas em audiência da CRA

A audiência pública da Comissão da Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado realizada nesta sexta-feira (09),em São Joaquim (SC), mostrou a relevância da cadeia produtiva da maçã para a economia brasileira e uma agenda que inclui providências emergenciais na área da defesa sanitária, subvenção ao seguro agrícola para fruticultura, linhas de financiamento para cobertura e segurança dos pomares e questões trabalhistas. A preocupação dos produtores é com a possibilidade do Brasil importar maçã e pera da China.Se isso ocorrer, haverá risco de contaminação dos pomares por uma doença já erradicada no Brasil (cydia pomonella). A audiência, prestigiada por mais de 500 pessoas, foi requerida pela senadora Ana Amélia (PP-RS), presidente da CRA, com o objetivo de dar visibilidade a essa agenda de um setor que emprega direta e indiretamente quase 200 mil pessoas. A maçã é a terceira fruta mais consumida no Brasil, atrás da banana e da laranja.

Participaram da audiência lideranças do setor, como presidente da Agapomi, Eliseu Zardo Boeno, além de representantes do governo, pesquisadores, parlamentares e autoridades.

Produtores de maçã apresentam demandas em audiência da CRA

Em relação ao seguro agrícola, os produtores questionaram a redução, em 2015, do limite máximo de subvenção através do Banco do Brasil – de 60% para 45% do valor do seguro. Além disso, eles reivindicaram a abertura de linhas de financiamento para ajudar na aquisição de estruturas de coberturas para os pomares, que os deixem protegidos de intempéries. Os produtores argumentaram que isso seria um uso mais eficiente dos recursos.

— O governo gasta milhões subsidiando seguros. Seria mais interessante acharmos um financiamento, com condições possíveis para os pequenos produtores, para que eles fiquem sempre esperando que o tempo seja benéfico — disse José Zeferino Pedroso, presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc).

Produtores de maçã apresentam demandas em audiência da CRA

Sálvio Proença, presidente da Associação dos Produtores de Maçã e Pera de Santa Catarina (Amap), questionou a redução do aporte financeiro para o setor. Segundo dados da entidade, a manutenção anual de cada hectare de um pomar de maçã custa entre R$ 45 mil e R$ 50 mil, quantia que, segundo a Amap, os produtores não conseguem bancar por conta própria.

— Os pequenos produtores dependem exclusivamente da subvenção federal e estadual para se manterem no campo. Nós precisamos que esse seguro tenha continuidade. O governo cortou 15%, mas sobrou dinheiro. Não havia razão — protestou.

O representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Diego Almeida, explicou que o percentual de subvenção foi reduzido para que o ministério pudesse continuar atendendo um grande número de produtores mesmo em face dos ajustes fiscais do governo federal em 2015. Disse ainda que os recursos remanescentes podem ser resultado de propostas não consolidadas, e pediu aos produtores que fiquem atentos ao andamento de suas solicitações e cobrem das operadoras de seguro.

Produtores de maçã apresentam demandas em audiência da CRA

Importações

Outra preocupação dos produtores é a entrada de maçãs produzidas na China no mercado nacional. Segundo explicaram, o Brasil não tem restrições em relação aos agrotóxicos que são usados nos produtos agrícolas importados. Para os participantes da audiência, isso representa um desequilíbrio na concorrência, pois os produtores brasileiros têm mais proibições. Além disso, argumentaram, seria um risco para a saúde pública, já que a população nacional ficaria exposta a químicos estranhos.

— Quando o produtor brasileiro exporta para qualquer país, ele tem que respeitar as leis de lá. O Brasil, infelizmente, não tem as mesmas leis, e permite a importação de produto no qual foram pulverizados químicos que são proibidos aqui — alertou Pierre Péres, presidente da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM).

Sálvio Proença, da Amap, solicitou maior vigilância, pois, segundo ele, se a maçã chinesa entrar no Brasil, vai trazer "uma série de pragas e doenças que não temos aqui, e a condição fitossanitária do setor, que é muito boa, vai ficar prejudicada".

Para Regina Sugayama, diretora da Oxya, uma empresa de serviços em biociências, os produtos artificiais usados nas maçãs importadas não são o único perigo. Ela explicou que sua empresa realizou recentemente um estudo que descobriu mais de 80 espécies de fungos e bactérias estranhos à produção brasileira que podem ser transmitidos tanto por maçãs estrangeiras, quanto por peras, de modo que a restrição à importação de maçãs poderia ser inócua, caso não se estendam os mesmos cuidados à outra fruta.

A senadora Ana Amélia chamou atenção para uma prática comum no comércio internacional chamada de circumvention - quando um país burla restrições à importação de um potencial comprador enviando sua mercadoria através de um terceiro mercado, mascarando assim a procedência.

Cancro

De acordo com Moisés Albuquerque, diretor-executivo da ABPM, a pior doença que acomete a produção de maçãs é o cancro europeu, que foi introduzido no Brasil em 2002 através de mudas contaminadas que entraram pelo Rio Grande do Sul. Os representantes dos produtores afirmaram que há poucos técnicos habilitados a auxiliar no combate do problema.

Leonardo Araújo, da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), relatou que as despesas para lidar com a doença representam 15% dos custos de produção da maçã. Caso não seja devidamente combatido, explicou ele, o cancro pode comprometer 10% de um pomar no período de um ano.

Segundo Araújo, a Epagri, uma empresa pública estadual precisa de mias recursos para pesquisa, campanhas de conscientização e contratação de equipes de trabalho.

Para Athos Lopes Filho, diretor de Cooperativismo e Agronegócio da Secretaria de Agricultura e Pesca de Santa Catarina, o governo estadual tem investido em medidas de detecção e combate à doença e em parcerias com empresas e entidades para qualificar as ações.

Números

De acordo com dados da ABMP, o Brasil tem 4,3 mil produtores de maçã responsáveis por 195 mil empregos diretos e indiretos, e por uma cadeia produtiva que movimenta R$ 6 bilhões. Na última década, o setor produziu 1,2 milhão de toneladas da fruta, o que faz do país o 12º maior produtor mundial. Além disso, o Brasil exporta maçãs para 44 outros países.

Produtores de maçã apresentam demandas em audiência da CRA


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

19 de out
Ana Amélia sugere compra do excedente de leite para amenizar crise no setor
Na Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, nesta quinta-feira (19), a senadora Ana Amélia (PP-RS) sugeriu que a Agência Brasileira de Cooperação do Itamaraty ative, através dos acordos internacionais, a compra do excedente de leite e doe…

11 de out
No Plenário, Ana Amélia reforça reivindicação da cadeia produtiva do leite
No Plenário do Senado, nesta quarta-feira (11), a senadora Ana Amélia (PP-RS) destacou reivindicação importante aguardada pela cadeia produtiva do leite: a aquisição dos estoques excedentes pelo governo para reduzir a oferta no mercado interno e amenizar a crise no…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail