Procurador aponta plano de fraude fiscal por parte do governo Dilma

25/08/2016 - Geral


Senadora Ana Amélia comparou Dilma à síndica de um edifício que gastou, sem autorização, o que não poderia

Procurador aponta plano de fraude fiscal por parte do governo Dilma

Ouvido como informante pelos senadores, o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira reafirmou nesta quinta-feira (25) que houve fraude fiscal no governo da presidente afastada, Dilma Roussef. O procurador seria a primeira das duas testemunhas de acusação no julgamento de Dilma Rousseff pelo Plenário do Senado, mas foi desqualificado em razão de postagens contra ela em redes sociais.

Mesmo com a mudança, respondeu às perguntas de senadores.  Para ele, as práticas consideradas fraudes fiscais foram iniciadas em 2013 e continuadas ao longo de 2014 e 2015, sendo caracterizadas pela omissão de registro da dívida pública; edição ilegal de decretos de crédito suplementar e financiamento de despesas do governo por bancos federais, como Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

- Foi um grande plano de fraude fiscal que contou com a omissão do registro das dívidas, com a fraude aos decretos de contingenciamento e com a utilização dos bancos públicos federais como fonte de financiamento ilegal, proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal – afirmou.

Síndica

Na pergunta que fez ao procurador do TCU,  a senadora Ana Amélia (PP-RS) explicou o crime de Dilma comparando-a à síndica de um edifício que fez uma reforma e gastou, sem autorização dos condôminos, o que não poderia. O resultado, disse a senadora, foi que faltou dinheiro para pagar a luz e os condôminos pagaram taxa extra pela irresponsabilidade.

— É como se fosse o síndico de um edifício e ela seria a síndica do edifício chamado Brasil. E essa síndica, sem consultar a assembleia dos condôminos, decide fazer uma reforma luxuosa no prédio sem esta consulta. E depois vem a conta para os condôminos pagar. Mas aí já é tarde. A conta já foi feita e vai ter que ser paga — explicou.

O procurador, ao comentar, ainda acrescentou:

—Todo condomínio tem um orçamento aprovado pela assembleia. Imagine que a assembleia aprove o orçamento, mas o síndico resolva gastar de uma forma diferente e contraia empréstimos para suplementar a arrecadação acima daquilo que está aprovado pela assembleia e, depois, vá deixar essas obrigações serem suportadas pelos condôminos. Então, é esta a natureza da responsabilidade: uma gestão fiscal ilegal e que deixa consequências ruinosas para a economia — disse Júlio Marcelo.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Ana Amélia compara Dilma à síndica de prédio que gastou, sem autorização, o que não poderia


Mais notícias:

19 de out
Ana Amélia é escolhida melhor senadora de 2017 no prêmio Congresso em Foco
A parlamentar gaúcha Ana Amélia (PP-RS) foi escolhida como a melhor senadora de 2017 na 10ª edição do tradicional prêmio Congresso em Foco, em cerimônia realizada nesta quinta-feira (19), em Brasília. A escolha foi feita por um júri formado por…

18 de out
Ana Amélia reforça alerta de Moro sobre projetos que fragilizam instituto das delações premiadas
No comando de um dos mais importantes e rumorosos processos da história dos poderes político e judiciário no Brasil, o juiz Sérgio Moro foi equilibrado, sereno e habilidoso na entrevista ao jornalista Gerson Camarotti, na Globo News. A…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail