Preocupação de produtores de leite com excesso de volume importado será debatida na Comissão de Agricultura do Senado

05/10/2016 - Agricultura


Audiência pública na comissão presidida pela senadora Ana Amélia será nesta sexta-feira

Preocupação de produtores de leite com excesso de volume importado será debatida na Comissão de Agricultura do Senado

A preocupação dos produtores de leite gaúchos com o volume excessivo de produtos lácteos importados pelos Brasil e os impactos negativos no setor será tema de audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS), nesta sexta-feira (7). A reunião, em Brasília, terá início às 14h, com transmissão da TV Senado.

O assunto foi abordado com a senadora Ana Amélia pelo presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS), Alexandre Guerra, em Brasília, nesta semana, e por representantes de entidades ligadas aos produtores de leite, em Ijuí, na região Noroeste, maior produtora de leite no RS, no último dia 22. A partir dos relatos, a parlamentar decidiu convidar lideranças do setor e representantes do governo para debater o tema e encontrar uma alternativa.

Conforme dados do Sindilat/RS, o Brasil importou 153,38 milhões de quilos de produtos lácteos nos primeiros oito meses de 2016, um aumento de quase 80% em relação ao mesmo período no ano anterior. Enquanto isso, as exportações de lácteos do Brasil para o mercado externo foram bem menores. Nos primeiros oito meses de 2015, o país exportou 45,19 milhões de quilos, enquanto nos primeiros oito meses deste ano o volume exportado foi de 32,25 milhões de quilos, uma queda de quase 30%. 

A situação já tem impactado negativamente na indústria e na renda dos produtores. No Rio Grande do Sul há mais de 105 mil famílias produtoras de leite, entre 850 mil em todo o país.

Alexandre Guerra sugere como alternativa a criação de cotas para a importação procedente do Uruguai, de onde vem o maior volume, assim como já existe para a Argentina. Dessa forma, explica ele, não haveria surpresa com um ingresso de produtos em volume exagerado em determinados períodos do ano, evitando um desconforto comercial.

— Não somos contra a importação, o que queremos é saber quanto vai entrar para não criar desequilíbrios. É importante que sejam criadas cotas, principalmente na questão do leite em pó. Podem até ser cotas flexíveis durante o ano, mas que sejam estabelecidas — afirmou.

O presidente do Sindilat/RS também informou que o setor está trabalhando para abrir novos mercados. O tema também deve ser abordado na audiência pública desta sexta-feira, no Senado. Recentemente, lideranças do setor acompanharam comitivas do Ministério da Agricultura, com esse propósito, em missões à Ásia, à Rússia e à China.

Foram convidados para o debate representantes dos ministérios das Relações Exteriores (MRE), e Agricultura (MAPA), representantes do Sindilat/RS, Fetag/RS e da Aliança Láctea Sul-Brasileira.

Preocupação de produtores de leite com excesso de volume importado será debatida na Comissão de Agricultura do Senado



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail