Prefeitos cobram aumento de repasses do governo para funcionamento das Unidades de Pronto-Atendimento

14/05/2015 - Saúde


Senadora Ana Amélia participou da reunião com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, nesta quinta-feira

Prefeitos cobram aumento de repasses do governo para funcionamento das Unidades de Pronto-Atendimento

O pedido de prefeitos por uma solução para o funcionamento das Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) em vários municípios gaúchos, nesta quinta-feira (14), em reunião com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, foi reforçado pela senadora Ana Amélia (PP-RS). O secretário estadual de Saúde do RS, João Gabbardo, o presidente da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), prefeito Seger Menegaz, além de prefeitos, vice-prefeitos e secretários municipais participaram do encontro.

O presidente da Famurs e os prefeitos presentes explicaram as diferentes situações enfrentadas pelos municípios onde as UPAs já funcionam, estão prontas para inauguração, tiveram obras iniciadas ou aguardam o início da construção das unidades. Atualmente, segundo Menegaz, o custo de manutenção de cada estrutura varia de R$ 450 mil a R$ 900 mil, e é considerado inviável para as prefeituras, que têm bancado mais da metade dos gastos. Se não houver um aporte substancial de recursos federais, as UPAs em construção permanecerão em obras e aquelas que estão funcionando poderão ter que fechar as portas, alertou Menegaz.

Regulamentada pela Portaria 2.648/2011 pelo Ministério da Saúde, a gestão das UPAs prevê financiamento compartilhado com recursos dos governos federal, estaduais e municipais. Contudo, são os municípios que têm sido responsáveis pelo custeio da maior fatia. Os investimentos das prefeituras têm superado o previsto e obriga a retirada de dinheiro de outras áreas, complicando ainda mais a crise financeira. No Rio Grande do Sul, existem atualmente 13 UPAs inauguradas. Dez estão prontas para serem inauguradas ou aguardam a aquisição de equipamentos para abrirem as portas. Outras 22 estão em fase de construção.

O que são as UPAs

As Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24 horas são estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares. Com o objetivo de diminuir as filas nas emergências dos hospitais, as UPAs funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana, e podem resolver grande parte das urgências e emergências, especialmente à noite e aos fins de semana, quando a rede básica e a Estratégia Saúde da Família não funcionam. As UPAs carecem de mais investimentos para operar em alguns municípios gaúchos.

Prefeitos cobram aumento de repasses do governo para funcionamento das Unidades de Pronto-Atendimento


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

8 de nov
Resultados das auditorias do TCU nas políticas públicas de saúde são apresentados em audiência no Senado
Número insuficiente de leitos em hospitais, falta de equipamentos e infraestrutura inadequada são problemas que o brasileiro enfrenta diariamente na saúde pública. Mas a maior dificuldade do setor é a falta de médicos e de outros profissionais…

6 de nov
Projeto para combater fraudes no mercado de órteses e próteses é destacado na tribuna
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) comentou nesta terça-feira (7) a Operação Marcapasso, deflagrada pela Polícia Federal, que prendeu envolvidos em esquema que fraudava etiquetas de validade de materiais usados em cirurgias…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail