Pesquisadores traçam cenário favorável para o agronegócio brasileiro

28/11/2017 - Agricultura


Relatório do Plano Nacional de Pesquisa Agropecuária será apresentado pela senadora Ana Amélia na próxima semana

Pesquisadores traçam cenário favorável para o agronegócio brasileiro

Locomotiva da economia brasileira, o Agro ganhará ainda mais força caso sejam feitos os investimentos necessários em pesquisa e inovação. Essa foi uma das principais conclusões a que chegaram representantes da comunidade científica em audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), realizada nesta terça-feira (28).

O debate foi o último de uma série de audiências que darão a base do relatório do Plano Nacional de Avaliação de Pequisa Agropecuária, elaborado pela senadora Ana Amélia (Progressistas-RS). A parlamentar deve apresentar o relatório na próxima semana.

— Nosso objetivo é contribuir para uma produção cada vez mais sustentável com segurança para o consumidor, garantia de renda para quem produz e proteção ao ambiente — definiu a parlamentar.

Biocombustíveis
O representante da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Gonçalo Amarante Guimarães Pereira, considerou o setor de produção de biocombustíveis como um dos mais promissores a serem desenvolvidos.

Caso o Brasil utilize metade dos 200 milhões de hectares destinados atualmente a pastagens, em sua maioria degradadas, na avaliação de Gonçalo Amarante, poderá expandir sua produção de etanol a ponto de ter condições de substituir o consumo mundial de gasolina.

— Se em vez de produzirmos etanol de 1ª geração produzirmos etanol de 2ª geração com cana-de-açúcar, uma conta simples mostra que se dedicarmos a metade desta área de pastagem para esta produção, conseguiremos substituir o consumo global de gasolina — disse o representante da SBPC.

Mecanização
Gonçalo Amarante citou a mecanização do cultivo de cana-de-açúcar como uma área que deverá demandar importantes desenvolvimentos tecnológicos nos próximos anos. Segundo ele, devido ao fato de a mecanização desta lavoura não ter sido adaptada às nossas condições, a produtividade da cana-de-açúcar caiu mais de 10% após o abandono das técnicas tradicionais de cultivo.

Macaúba e biomassa
O desenvolvimento da produção de óleo da palmeira macaúba, da geração de eletricidade a partir de etanol e de biomassa foram outros nichos do agronegócio que na opinião de Gonçalo Amarante devem receber prioridade.

No mesmo sentido, Elibio Leopoldo Rech Filho, diretor da Academia Brasileira de Ciências (ABC), destacou o potencial de desenvolvimento da produção agrícola brasileira em áreas de pastagens degradadas, ocupadas por agricultores das classes de renda D e E.

Áreas degradadas
De acordo com o pesquisador, os agricultores das classes D e E, ocupam mais de 109 milhões de hectares em 3,6 milhões de estabelecimentos, mas são responsáveis apenas por 7,6% do valor bruto da produção. Já os agricultores das classes A, B e C, que utilizam 190 milhões de hectares, obtém 92,4% do valor da produção nacional. Essa situação tornaria possível a elevação da produção a partir de investimentos adequados nas áreas de menor renda do país.

Citando os enormes ganhos de produtividade obtidos na cultura da soja a partir da década de 1990, devido em parte ao trabalho da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Elibio Leopoldo Rech Filho, reconheceu também a importância da biodiversidade existente no Brasil para esse resultado.

— Essa nossa agricultura desenvolvida existe não somente em função do uso de ciência e tecnologia, mas também por causa da biodiversidade. Ela que fornece e dá o equilíbrio para todos os recursos aquíferos, proteção do solo, estabilidade climática, reciclagem do solo e nutrientes, biomas e ecosistemas — observou.

Fernando Ribeiro, assessor da presidência da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), salientou a importância do investimento em ciência para a elevação da produtividade do agronegócio brasileiro. Citando estudo da União Europeia, ele observou que o valor total gerado pela pesquisa pública é entre 3 a 8 vezes o valor do investimento.

— A taxa de retorno da maior parte dos projetos é entre 20% e 50%. Entre 20% e 75% das inovações não poderiam ter sido desenvolvidas sem a contribuição da pesquisa publica, desenvolvida até 7 anos antes — afirmou Fernando Ribeiro.

O diretor-executivo, no exercício da presidência, do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Márcio de Miranda Santos, alertou para a necessidade de articulação de atores relevantes dentro da cadeia de valor da produção de alimentos e da produção agropecuária como um todo.

Segundo ele, atualmente se observa ao longo dos investimentos no setor agrícola um aumento considerável da complexidade dos temas que precisam ser tratados, sendo que o sistema brasileiro de produção agropecuária estaria, em sua avaliação, desarticulado.

— O nosso sistema esta muito desarticulado. Ele precisa de soluções no que diz respeito ao apoio do Legislativo, absolutamente fundamental para iniciativas que articulem esse sistema entre todos os seus principais atores, governo, empresa academia, sociedade civil organizada e sociedade civil que se auto-organiza — avaliou.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

20 de jul
Crise no setor leiteiro é abordada por Ana Amélia durante evento em Três de Maio
No encontro com lideranças de Três de Maio e da região da Grande Santa Rosa nesta sexta-feira (20), a senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) destacou a crise que afetou o setor leiteiro. No Senado, a parlamentar, que…

3 de jul
Debate na CRA aponta falhas em programa de amparo a agricultores familiares
Criar mecanismo de capacitação dos agricultores familiares para enfrentar longos períodos de estiagem na região nordeste e montar um sistema de cruzamento de dados para evitar fraudes no Programa Garantia Safra foram algumas das sugestões apresentadas na audiência pública…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail