Pesquisador ressalta papel da tecnologia na agricultura em audiência na CRA

04/02/2016 - Agricultura


Reunião com a presença de Zander Navarro foi presidida pela senadora Ana Amélia

Pesquisador ressalta papel da tecnologia na agricultura em audiência na CRA

A ampliação da produção agropecuária brasileira está diretamente ligada a investimentos em tecnologia, afirmou nesta quinta-feira (4) o sociólogo Zander Navarro, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), durante audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) sobre as transformações recentes na área rural e as novas tendências da agropecuária brasileira.

A importância da aplicação de capital para o crescimento da produção agrícola, a concentração de riqueza e o esvaziamento populacional do meio rural também foram destacados pelo pesquisador, que criticou ainda a política de reforma agrária.

O novo padrão produtivo, conforme Navarro, revela uma “inédita e crescente monetarização das regiões rurais”, onde investimentos financeiros têm importância maior que terra e mão de obra, entre os fatores de produção.

— Praticamente 70% do crescimento da produção agropecuária se deve à tecnologia, não se deve mais nem ao trabalho e muito menos à terra — afirma o pesquisador.

Concentração de renda foi outro aspecto destacado pelo pesquisador. Conforme afirmou, 0,62% dos estabelecimentos rurais respondem pela metade da renda bruta da agropecuária e 0,5% do total dos contratos do crédito ficam com um terço do valor investido.

Cooperativismo

A presidente da CRA, senadora Ana Amélia (PP-RS), questionou o convidado quanto ao papel do associativismo e do cooperativismo como caminho para a inserção produtiva de pequenos e médios agricultores no mercado.

— É a única saída para milhões de famílias rurais de tamanho médio e pequeno, não há outra — opinou Zander Navarro.

Reforma Agrária

Frente às características da nova configuração da agricultura apresentadas no debate, o sociólogo diz não haver mais espaço para programas de assentamento de famílias rurais.

— O tempo histórico da reforma agrária acabou, não tem mais nenhuma justificativa. Os recursos seriam aplicados de maneira mais eficiente se extinguíssemos o Incra (instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e o programa de distribuição de terra e utilizássemos os recursos de outra forma para as famílias mais pobres — disse o pesquisador.

Em resposta a questionamentos dos senadores Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Lasier Martins (PDT-RS) e Wellington Fagundes (PR-MT), Zander Navarro opinou que o Incra poderia ser transformado em um instituto de terras dedicado à titulação e regularização fundiária. Questionado sobre a exploração agrícola dos assentamentos, ele informou que já foram destinados 88 milhões de hectares para a reforma agrária, mas disse não haver dados sobre a produção realizada nessa área.

Frente a essa falta de informação, os senadores aprovaram requerimento solicitando ao governo federal que envie à comissão os dados sobre a produção agrícola nos assentamentos rurais.

Exportações

No debate, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) manifestou preocupação com a possibilidade de tributação das exportações do agronegócio. A hipótese tem sido aventada como forma de reduzir o déficit do regime diferenciado do trabalhador rural na Previdência Social.

Para Navarro, uma possível tributação dos produtos agropecuários exportados penalizaria ainda mais o setor, que já enfrenta queda de preços no mercado mundial.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

9 de nov
Farsul e Federarroz entregam demandas ao ministro da Agricultura
O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, e o vice-presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Ferreira, apresentaram ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, demandas do setor para equiparar os custos de produção no Brasil, aos dos países do Mercosul.…

8 de nov
Senadora garante apoio à demanda dos produtores brasileiros de cebola
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) vai solicitar o apoio dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Agricultura, Blairo Maggi, ao pedido da Associação Nacional dos Produtores de Cebola (ANACE) para aumentar de 10% para 35%…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail