Participantes de audiência apontam medidas para diminuir evasão no Pronatec

25/09/2017 - Agricultura


Exame de aptidão no início e no final do curso foi uma das sugestões apresentadas em audiência

Participantes de audiência apontam medidas para diminuir evasão no Pronatec

A redução do índice de evasão no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) foi discutida, nesta segunda-feira (25), durante audiência pública da Comissão de Educação Cultura e Esporte. Os participantes da audiência sugeriram medidas para aprimorar o programa e diminuir o índice de evasão, entre elas, a realização de um exame de aptidão no início e no final do curso.

O Pronatec tem como objetivo democratizar a oferta de cursos técnicos e profissionais de nível médio e de cursos de formação inicial e continuada para trabalhadores.

De acordo com Lucas Ferreira Mation, chefe da Assessoria Técnica da Presidência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o teste inicial não seria para determinar quem entra ou não, mas para decidir qual é o curso mais adequado para a pessoa e, então, evitar desistências. Já o teste final teria como proposta avaliar o aprendizado.

— É importante a gente avaliar para melhorar a efetividade das políticas — disse.

Lucas Ferreira Mation sugeriu ainda, com o objetivo de fortalecer a gestão do Pronatec,  a realização das inscrições por meio de um portal centralizado, como já acontece com o Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Em sua opinião, a mudança permitiria diminuir as falhas do Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (Sistec), que recebe informações de diversos provedores.

Nivelamento

Marcos Vinicius de Souza, secretário de Inovação e Novos Negócios do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, ressaltou que, infelizmente, "entra quem quer nos cursos" e, nos mais exigentes, as pessoas acabam saindo porque não conseguem acompanhar.

—  Um correto nivelamento inicial apenas para saber se a pessoa consegue acompanhar aquele curso ou não já reduziria bastante a evasão que temos visto — defendeu.

Os convidados para a audiência também ressaltaram que os cursos têm que ser atualizados e alinhados com as demandas da sociedade, do mercado de trabalho e do setor produtivo e acrescentaram que a evasão gera um custo muito alto não só para o governo, mas também para as empresas envolvidas.

Focalização

Almir Serra Martins Menezes Neto, auditor de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU), defendeu o aprofundamento de estudos para aperfeiçoar o foco, ou seja, qual curso vai ser oferecido, onde e para qual tipo de público.

Almir Serra Martins Menezes Neto também defendeu a efetividade dos cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC) da Bolsa-Formação. Ele explicou que esses cursos apresentam resultados em termos de empregabilidade e atacam um público que não é o mesmo dos cursos de longa duração.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail