País precisa do Censo Agropecuário, dizem participantes de audiência na CRA

20/10/2016 - Agricultura


Debate foi presidido pela senadora Ana Amélia

País precisa do Censo Agropecuário, dizem participantes de audiência na CRA

Para conhecer o perfil do campo brasileiro, planejar o setor agropecuário, definir políticas públicas adequadas para cada setor e manter uma base de dados atualizada, o país precisa fazer o Censo Agropecuário, previsto para 2017. Foi o que defenderam os participantes da audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), nesta quinta-feira (30).

— É de fundamental importância o Censo Agropecuário. Não o concebemos como uma despesa de Estado, mas como um grande investimento. Um grande recenseamento permitirá que os governos possam acertar mais nas políticas publicas e nos permitirá pautar algo mais verdadeiro, mais real para o setor — disse o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Alberto Broch.

O censo está ameaçado pela falta de recursos, já que o Ministério do Planejamento, em abril deste ano, ainda na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, fez cortes no orçamento inicial de R$ 330 milhões para R$ 266 milhões. A diminuição orçamentária levou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a adiá-lo.

A presidente da CRA, senadora Ana Amélia (PP-RS), lembrou que a comissão destinou, em suas emendas ao Projeto de Lei do Orçamento de 2017, o montante de R$ 1,15 bilhão para este fim. No entanto, a Comissão Mista de Orçamento (CMO) é quem definirá se acata a emenda e qual o montante a ser alocado no Orçamento, atualmente em discussão no Congresso.

País precisa do Censo Agropecuário, dizem participantes de audiência na CRA

Produção

O pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), José Eustáquio Vieira Filho, defendeu a atualização da base de dados do campo brasileiro para o planejamento adequado do setor agropecuário. Apesar dos avanços produtivos inigualáveis obtidos pelos agricultores brasileiros, impulsionados pela tecnologia, o país sofre com a concentração produtiva, o que gera grande desigualdade entre os proprietários rurais.

Pelo Censo de 2006, havia 5,1 milhões de estabelecimentos e destes, quase 4 milhões eram de baixa renda e extrema pobreza, com agricultores excluídos da dinâmica tecnológica. Ter essas estatísticas atualizadas ajuda o Estado a entender o problema, estudar formas de minimizá-lo e, consequentemente, aumentar a produção agrícola. Essa desigualdade se concentra especialmente na comparação com as regiões Norte e Nordeste, disse.

- Você tem instituições fortes no país que podem promover a difusão e maior adoção desses conhecimentos tecnológicos, mas há uma há defasagem educacional e técnica no ambiente local que não faz com que essa tecnologia chegue ao final, inclusive nessas regiões mais desfavorecidas. E com o censo desatualizado, a situação fica mais crítica – opinou.

Ele defendeu a valorização dos avanços do setor agropecuário brasileiro, como já ocorre com o setor de produção de aviões ou da extração do petróleo em alto mar. E criticou a legislação que retira benefícios do agricultor familiar em vias de aumentar seu negócio, no que recebeu apoio do senador Waldemir Moka (PMDB-MS).

- O país precisa estimular o pequeno a ser médio e o médio a ser grande, não condená-lo a ser pequeno o resto da vida – opinou o senador.

População

Para Zander Navarro, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o censo de 2006 já demonstrava que o Brasil entrou em outra fase da história rural, de globalização, com um intenso dinamismo econômico-financeiro e abertura de parte dos produtores à ciência, tecnologia, inovações e habilidade para abrir mercados. Mas também explicitou o padrão de concentração de riqueza, que não é só brasileiro, se reproduz nos Estados Unidos e na União Europeia. Aqui, 11% dos produtores concentram 87% da riqueza produzida no campo.

Outro ponto que precisa fazer o Brasil refletir e já estava denunciado em 2006 – e deve se confirmar no próximo censo – é o esvaziamento social do campo, rarefeito populacionalmente, com grande parte dos cidadãos concentrados nas regiões metropolitanas. O pesquisador sugeriu a necessidade de se implantar uma ação de desenvolvimento rural que mantivesse pequenas e médias cidades do interior relativamente habitadas, com interação humana, sociabilidade estendida, tornando o país mais equilibrado em sua distribuição populacional.

- O Censo de 2017 vai jogar no nosso colo essa pergunta, o que queremos com esse vasto interior? O que queremos manter no campo? Só a economia e o sucesso da economia agropecuária ou também esse sucesso com densidade social nas regiões rurais? – questionou.

O senador Roberto Muniz (PP-BA) avaliou que há uma falta de senso comum generalizada sobre a importância da vida rural e apontou a opressão do ambiente urbano à sociedade rural, a qual não vem tendo suas tradições respeitadas.

Os dados de concentração da produção foram corroborados pelo presidente da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural, Marcelo Braga, que defendeu o censo para se obter uma análise estrutural e conjuntural do campo brasileiro. Ele citou o exemplo do “milagre do cerrado” com a soja: o país consegue disputar com outros produtores mundiais porque os pesquisadores brasileiros, conhecendo o bioma, aprenderam a fazer o melhoramento genético e conseguiram adaptar o grão à realidade tropical.

Operação

O representante do IBGE, Luiz Fernando Rodrigues, explicou como o recenseamento se dará na prática. Os dados partem do ultimo levantamento sobre o setor, que é de 2006, e os recenseadores visitarão as propriedades rurais para confirmá-los, cadastrar novas propriedades ou excluir alguma que por ventura não exista mais. Há previsão de contração de 63 mil recenseadores e aquisição de 80 mil tablets. Os dados podem ser transmitidos por WiFi, o que permite a checagem quase em tempo real, pelos supervisores, das informações coletadas  em campo.

O cadastro prévio conta com nove milhões de domicílios rurais e 3,9 milhões de estabelecimentos agropecuários a ser checados. Desse total, 34 mil estabelecimentos concentram quase 90% da produção agrícola brasileira. Esses serão submetidos a uma coleta especial, mais detida, e não feita somente com o recenseador padrão.

País precisa do Censo Agropecuário, dizem participantes de audiência na CRA



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail