Novo modelo de seguro rural é tema de debate do Senado na Exposul, em Rondonópolis

12/08/2016 - Agricultura


Proposta é compartilhar custos entre diferentes agentes do agronegócio

Implantação de seguro rural eficiente é tema de audiência no Mato Grosso

A implementação de uma política de seguro rural que garanta não apenas o custeio da safra, mas também a renda do agricultor em caso de problemas com a lavoura, foi tema de debate da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (CRA), nesta sexta-feira (12), durante a 44ª Exposul, em Rondonópolis. A reunião foi presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS) e contou com a presença do ministro Blairo Maggi, dos senadores Wellington Fagundes (PR-MT), José Medeiros (PSD-MT), Cidinho Santos (PR-MT) e Elmano Ferrer (PTB-PI), deputados e lideranças do setor.

No debate, ficou claro que o modelo de seguro rural utilizado no país precisa ser revisto. O ministro e os senadores apontaram para a necessidade de aumento de subvenções por parte do governo federal, além da divisão de custos entre os diferentes agentes que atuam no agronegócio. Essas alternativas podem ampliar a cobertura do seguro. A proposta foi defendida pelo ministro Blairo Maggi e contou com apoio da presidente da CRA.

A senadora Ana Amélia destacou que é necessário criar um modelo de seguro rural adaptado à realidade brasileira e que o preço do seguro não pode recair somente sobre os ombros do produtor.

- Precisa ser compartilhado por toda a cadeia produtiva. O caminho é o próprio setor encontrar uma saída inteligente e compartilhada que possa resolver esse problema que se arrasta há muitos anos. Quando o produtor tem perda na safra fica sem recursos para honrar seus compromissos e isso afeta toda a cadeia– disse.

Blairo Maggi informou que uma comissão para debater o tema seguro rural foi criada no ministério, coordenada pelo ex-ministro Alysson Paulinelli, e deverá apresentar os resultados dos trabalhos em 90 dias.

Implantação de seguro rural eficiente é tema de audiência no Mato Grosso

O seguro rural foi definido como tema de relatório de política pública da CRA para o ano de 2016, e está a cargo do senador Wellington Fagundes. Outros debates já foram realizados e o próximo será dia 26 de agosto em Itabuna (BA). O relator, ao falar no evento na Exposul, expressou sua preocupação com a baixa cobertura do seguro agrícola no país, de apenas 14% da área plantada, enquanto em outros países produtores, como os Estados Unidos, chega a 90%. 

Wellington Fagundes afirmou que os produtores estão sempre à mercê das variações ou acidentes climáticos, sem falar nas pragas e na variação cambial. Ele disse que secas ou excesso de chuvas têm causado a perda de muitas safras em todo o país e que o seguro é fundamental para os pequenos agricultores, que estão muito mais suscetíveis às questões climáticas. No final do ano, Wellington Fagundes, apresentará um texto com recomendações para aprimorar o programa. O relatório irá incluir sugestões de todos os setores envolvidos como seguradoras e segurados, governo, produtores, para instituir novo modelo de seguro rural.

Para proteger a safra  2016/2017, o orçamento para o seguro rural é de R$ 400 milhões. O valor até chegou a R$ 741 milhões, depois de emenda apresentada pela senadora Ana Amélia, porém o aumento foi vetado por Dilma Rousseff, que ainda não estava afastada na época.

O senador José Medeiros apontou para o déficit na infraestrutura de transporte no Brasil, o que encarece o preço do produto final. Por sua vez, o senador Cidinho Santos tratou de problemas de infraestrutura por que passam assentamentos do estado. O senador Elmano Férrer e a deputada federal Magda Moffato (PR-GO) ressaltaram a importância do seguro rural para o Brasil, cuja produção agropecuária é um dos motores da economia.

O diretor da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Carlos Augusto Zanata, disse que o seguro rural precisa ser repensado e reestruturado para garantir a renda do produtor e não apenas o pagamento de suas dívidas. Essa também foi uma das mudanças necessárias apontadas por Ana Amélia.

Já o consultor legislativo do Senado Marcos Peixoto disse que a CRA está trabalhando para apresentar sugestões concretas para um novo modelo de seguro rural.

O diretor da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e representante da Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Mato Grosso (OCB-MT), Frederico Azevedo, pediu apólices de seguro adequadas à realidade de cada estado e região e contratos de seguro mais simples, menos burocráticos. Ele também pediu melhor distribuição da subvenção do seguro rural no país e sugeriu que essa subvenção vá direto para as mãos do produtor rural e não para as seguradoras, como ocorre atualmente. Assim, o produtor poderá negociar melhores preços com as seguradoras, acrescentou. Frederico Azevedo também solicitou que o crédito rural tenha juros menores para os produtores que tenham suas plantações seguradas.

O diretor de Crédito, Recursos e Riscos do Ministério da Agricultura, Vitor Ozaki, declarou que o governo passará a promover a subvenção do seguro rural direto ao produtor, para que este negocie com as seguradoras.

Segundo Ozaki, o que mais surpreende nos Estados Unidos é a tranquilidade que o produtor agropecuário de lá tem em seu cotidiano de produção, pois sabe que qualquer perda que tiver será amenizada pelo seguro. Pois, conforme também informou o senador Wellington Fagundes (PR-MT), 90% das plantações e criações norte-americanas são seguradas, enquanto no Brasil apenas 14% das plantações estão atualmente protegidas. Ozaki acrescentou que o objetivo do Ministério da Agricultura é dar mais tranquilidade também para os produtores brasileiros.

Participaram também da audiência os deputados Fabio Garcia, Odanir Bortolini e Adilton Sachetti, o gestor técnico da Federação da Agricultura do Mato Grosso (Famato), Guto Zanata, e o presidente da Exposul, Chico da Paulicéia, o diretor-geral do DNIT, Valter Casimiro.

Mato Grosso

Ao fim do encontro, o governador Taques e o ministro Blairo assinaram acordo entre o estado e o ministério para viabilizar a alteração do calendário de vacinação da febre aftosa no Mato Grosso, uma reivindicação dos pecuaristas do estado.



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

24 de jun
Agentes da PRF agradecem atuação da senadora Ana Amélia para atender demandas da categoria
Agentes do Posto de Controle da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai, agradeceram o empenho da senadora Ana Amélia (PP-RS) na relatoria do projeto de lei que reajustou o salário…

23 de jun
Censo Agropecuário 2017 é lançado no Rio Grande do Sul
O Censo Agropecuário 2017 do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE) foi lançado no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira (23), em evento na Emater/RS-Ascar. Em todo o Brasil, 26 mil profissionais visitarão 5,3 milhões de propriedades rurais, sendo 425 mil no…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail