Ministro e senadores manifestam preocupação com possível taxação sobre agronegócio

23/06/2016 - Agricultura


Assunto foi comentado em audiência com o ministro Blairo Maggi, presidida pela senadora Ana Amélia

Ministro e senadores manifestam preocupação com possível taxação sobre agronegócio

A possível taxação da exportação de produtos agrícolas preocupa o ministro da Agricultura, Blairo Maggi e parlamentares como a senadora Ana Amélia (PP-RS). Durante audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) nesta quinta-feira (23), o ministro afirmou que a medida que estaria sendo estudada pela equipe econômica do governo representaria um "abraço do afogado". A reunião foi presidida pela senadora Ana Amélia.

Segundo informações da imprensa, o governo interino de Michel Temer examina a possibilidade de incluir na proposta de reforma da Previdência Social a elevação da taxação sobre o setor do agronegócio, com a finalidade de reduzir o deficit do sistema de aposentadorias no país. A ideia seria acabar com a isenção do agronegócio no pagamento de contribuição previdenciária sobre a receita obtida com exportação.

Maggi comentou o assunto após José Medeiros (PSD-MT) e Ronaldo Caiado (DEM-GO) manifestarem preocupação com os possíveis impactos da medida para os produtores. O ministro contou que a questão não foi discutida na quarta-feira quando se reuniu com Michel Temer e outros ministros do núcleo econômico.

— Meu papel é defender o produtor. Vou defender até ficar só com o toco da espada nas mãos. Não concordo com a taxação — disse Maggi.

A senadora Ana Amélia considera a medida um equívoco da área econômica do governo pensar em taxar o setor que tem “carregado o Brasil nas costas”.

— Não fosse o excelente desempenho graças ao trabalho dos produtores rurais brasileiros, a crise seria muito pior. O setor assegura o abastecimento interno e ainda gera excedentes exportáveis que dão ao Brasil a tranquilidade de reservas cambiais extraordinárias e um superávit na balança comercial. Penalizar com um imposto é um tiro no pé que o governo estaria dando nesse momento — avaliou.

Para Ronaldo Caiado (DEM-GO), o grande desafio do Ministério da Agricultura é barrar qualquer aumento da carga tributária para os produtores:

— Qual o sentido de querer taxar a Agricultura, que é um setor que vem dando certo e liberar R$ 50 bilhões para estados com maus gestores?  — criticou o senador.

Ministro e senadores manifestam preocupação com possível taxação sobre agronegócio

Mais exportações

Aumentar as exportações é uma das prioridades de Maggi à frente da pasta.  O ministro anunciou que fará uma série de viagens para ampliar o mercado para os produtos brasileiros. Entre os países com potencial para comprar novos produtos,  estão  Myanmar, Coreia do Sul,  Vietnã e Nigéria, de acordo com o ministro.

Sobre a China, o ministro destacou que o país continua sendo um mercado estratégico para o Brasil e assinalou o cuidado do governo em cumprir as exigências sanitárias para a entrada dos produtos no gigante asiático.

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) disse que é preciso conscientizar os produtores sobre a importância do cuidado sanitário com seu rebanho e produção.

— É preciso que o produtor entenda que faz parte de uma estratégia comercial — apontou.

O ministro disse também que os preços dos grãos no mercado interno estão sendo observados. Ele que poderá rever as taxas de importação do milho, assim como ocorreu com o feijão, para amenizar os efeitos negativos no bolso dos consumidores. Os preços de ambos os grãos subiram em razão de problemas nas colheitas.

- Estamos tomando duas atitudes. A primeira é provocando o governo a dar um preço mínimo maior. Nós defendemos preço mínimo de 18 reais para a saca de milho. Do outro lado, você tem que mostrar ao produtor que se o milho subir muito de preço, nós vamos também, a exemplo do que fizemos agora com o feijão, liberar a importação. O que não podemos deixar é que o mercado fique especulativo e leve o milho a 60 reais – argumentou.

Maggi admitiu liberar a importação de milho em resposta ao senador Acir Gurgacz (PDT-RO). O parlamentar observou que os preços recorde do milho têm afetado toda a indústria de carne. Criadores de frangos, de suínos e de gado leiteiro, disse Acir, têm no grão a principal fonte de alimento para os animais e sofrem com a pressão nos custos.

Setor estratégico

Entre outros temas, Blairo Maggi relatou que tem se reunido com representantes da cadeia produtiva e pedido sugestões para reduzir a burocracia nos procedimentos e normas do Ministério. Abordou ainda a questão da infraestrutura e do armazenamento de grãos, os  desafios do setor de pesca e aquicultura e afirmou que está em  estudo um novo modelo de seguro rural.

Senadores foram unânimes em apontar o setor agropecuário como estratégico para ajudar o país a superar a crise.

- A crise seria muito mais aguda não fosse o trabalho dos agricultores brasileiros – afirmou a presidente da CRA, Ana Amélia.

Roberto Muniz (PP/BA) propôs a criação de um Fundo Agropecuário Nacional como forma de defender e fortalecer a produção.

- Essa estruturação deste fundo pode ser abraçada pelo Ministério como uma política pública nacional, como já temos em diversos outros setores -  afirmou Muniz.

O ministro Blairo Maggi lembrou que vários estados já têm fundos regionais e disse que vai estudar a possibilidade de levar adiante a proposta.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Ana Amélia critica possível aumento de taxação sobre agronegócio


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail