Lideranças dos três poderes e de entidades garantem mobilização em torno da dívida do RS com a União

26/02/2016 - Economia


Senadora Ana Amélia participou de ato realizado no Palácio Piratini, nesta sexta-feira

Lideranças dos três poderes e de entidades garantem mobilização em torno da dívida do RS com a União

Representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além das entidades de classe, estiveram reunidos nesta sexta-feira (26), no Palácio Piratini, mobilizados em relação à divida do Rio Grande do Sul com a União. A senadora Ana Amélia (PP-RS) participou do evento e renovou o compromisso com o tema.

Ana Amélia lembrou do trabalho dos senadores gaúchos nas pautas sobre o assunto desde 2011, quando assumiu uma vaga no Senado, mesmo quando o governador do RS era de um partido de oposição.

A parlamentar gaúcha é autora de projetos nessa área. Há dois anos, apresentou a PEC 22/2014, que abate das dívidas de Estados e municípios com a União os créditos fiscais das desonerações a partir da Lei Kandir. Além disso, junto com os outros senadores gaúchos, é autora do projeto de lei (PLS 561/2015) para alterar o indexador da dívida.

— É uma tentativa, pela via legislativa, de resolver o problema dessa dívida impagável. O Rio Grande está unido em nome de uma causa de interesse de todos nós — disse a senadora.

No encontro desta sexta-feira, o governador José Ivo Sartori convocou representantes dos poderes institucionais, sindicatos e segmentos sociais a “criar um ambiente de unidade de mobilização” em torno da dívida do Estado com a União. Sartori sugeriu a formação de uma comitiva representativa de todos os segmentos sociais para ir a Brasília lutar pelo direito do Rio Grande do Sul.

Ação judicial 

Na noite da segunda-feira passada, a Procuradoria Geral do Estado (PGE), ajuizou mandado de segurança na 2ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, que questiona a cobrança da dívida. Na ação, o governo do Estado requer que o valor restante da dívida com a União seja corrigido por juros simples, e não por juros capitalizados, em cumprimento à lei 148/2014, que trata do refinanciamento do débito.

A ação é dirigida aos representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e ao gerente de setor público do Banco do Brasil de Porto Alegre, responsáveis pela conta de evolução da dívida.

Desde abril de 2015, em função das dificuldades financeiras, o Estado vem atrasando o pagamento das parcelas da dívida, que correspondem a 13% da receita corrente líquida. Assim, dependendo da receita, elas variam de R$ 265 milhões a R$ 280 milhões. Cada vez que o pagamento é protelado, o governo federal bloqueia as contas do Estado. 

Na ocasião, os participantes do encontro receberam informações sobre o que está sendo feito, as motivações jurídicas que levaram o Estado a ingressar com a ação e a necessidade da união de todos os segmentos da sociedade em torno da questão da dívida.

— É nossa obrigação compartilhar com a sociedade questões centrais para o Rio Grande do Sul. A questão que hoje se coloca é absolutamente central — enfatizou o governador.

Em agosto do ano passado, o governo gaúcho já havia ingressado com uma ação cautelar no STF pedindo a nulidade de cláusulas do contrato da dívida - entre elas, a suspensão das parcelas mensais e o não bloqueio de valores das contas públicas em caso de atraso do pagamento. A liminar foi negada. Em setembro, deu entrada no STF a ação principal (agora em tramitação) requerendo a revisão do contrato de renegociação da dívida, firmado em 1997.

Hoje, a dívida é corrigida pelo IGP-DI. O governo defende que este indexador seja substituído pelo IPCA. Entre 1999 e 2011, o IGPDI aumentou 216,34%, e o IPCA, 133,42%. Portanto, com a reformulação do contrato para trocar a base de correção, o Estado teria um alívio financeiro. O Rio Grande do Sul deve à União cerca de R$ 50 bilhões. Já foram pagos R$ 28 bilhões. No entanto, ao invés de diminuir, a dívida aumenta cada vez mais.

Lideranças dos três poderes e de entidades garantem mobilização em torno da dívida do RS com a União


Com informações da Assessoria de Imprensa do Governo do RS

Foto: Karine Viana/Palácio Piratini


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11 de abr
Impactos de medidas ao setor calçadista serão debatidos em audiência no Senado
Preocupada com as consequências econômicas e sociais negativas para o setor calçadista brasileiro de uma possível redução do imposto de importação dos calçados esportivos, especialmente em relação à perda de empregos, a senadora Ana Amélia…

OCB lança Agenda Institucional 2018 de cooperativismo
A Agenda Institucional 2018 do Cooperativismo foi apresentada pela OCB nesta quarta-feira (11), pelo Sistema OCB, com propostas legislativas para alavancar o setor e garantir segurança jurídica aos cooperados. A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), vice-presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo esteve no evento e destacou compromisso…

3 de abr
Congresso derruba veto ao Refis das micros e pequenas empresas
O Congresso derrubou nesta terça-feira (3) o veto ao projeto que instituía o Refis para micros e pequenas empresas. O  programa de refinanciamento, permitido às empresas que optaram pelo Simples, regime simplificado de tributação, havia sido aprovado pelo Senado no final de 2017.…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail