Lei do Supersimples inclui bebidas artesanais

22/06/2016 - Economia


No RS, microcervejarias, vinícolas e alambiques geram renda, emprego e desenvolvimento

Lei do Supersimples inclui bebidas artesanais

Aprovada nessa terça-feira (21), no plenário, a Lei do Supersimples contemplará também a produção de bebidas artesanais, como microcervejarias, alambiques e vinícolas. A senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu a inclusão dessas empresas pela importância econômica e social que têm para estados do Sul.

Apenas no Rio Grande do Sul, atualmente, há 300 empresas familiares produzindo cervejas artesanais. O texto base da lei do Simples, que tem como relatora a senadora Marta Suplicy, foi aprovado na noite de terça-feira (21), mas precisa ser submetido a turno extra de votação, por se tratar de um substitutivo, o que deve ocorrer na próxima terça-feira (28). 

Na visão da parlamentar, uma carga tributária mais justa, além de estimular o desenvolvimento dessas produções, faria com que muitas pessoas saíssem da informalidade. Ana Amélia também destacou que cervejas, vinhos e cachaças produzidos no Rio Grande do Sul têm sido destaque com premiações nacionais e internacionais.

— Além da geração de emprego e renda, cantinas e cervejarias também têm atraído turistas para municípios gaúchos — destacou.

O senador José Anibal (PSDB-SP) havia apresentado destaque para votar em separado essa matéria, excluindo a produção de bebidas artesanais do Simples, porém atendeu ao apela da parlamentar, e de outros senadores, e desistiu da emenda.

Mudanças

Entre as mudanças, está a elevação de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões do teto anual da empresa de pequeno porte (EPP) a ser incluída no programa (o teto anterior era de R$ 14,4 milhões). A relatora reconheceu que o novo teto ficou “aquém” do proposto inicialmente, mas considerou que a situação precária da economia do país exigiu adaptações também nas propostas legislativas.

O número de faixas de faturamento foi reduzido de 20 para 6 faixas, segundo Marta, para simplificar a lógica de todo o sistema. A ideia inicial era que os ajustes já valessem para o ano que vem. Mas depois de uma emenda do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), a maioria dos ajustes entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2018. Um único dispositivo entrará em vigor imediatamente: a criação de um parcelamento especial de débitos das empresas do Simples de 120 meses.

O projeto também eleva o limite de receita bruta anual para o enquadramento como microempreendedor individual, que passa dos atuais R$ 60 mil para R$ 72 mil. Além disso, permite a adesão ao Simples do empreendedor do meio rural com receita bruta de até R$ 72 mil. 

Uma emenda, do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), pedia a inclusão da atividade médica no Supersimples. Apresentada em forma de destaque, a emenda foi aprovada por 47 votos a favor e 8 contrários, além de uma abstenção.

O texto base foi aprovado na terça-feira, mas precisa ser submetido a turno extra de votação, por se tratar de um substitutivo, o que deverá acontecer no próximo dia 28.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Senadora Ana Amélia defende inclusão de bebidas artesanais no Supersimples


Mais notícias:

11 de abr
Impactos de medidas ao setor calçadista serão debatidos em audiência no Senado
Preocupada com as consequências econômicas e sociais negativas para o setor calçadista brasileiro de uma possível redução do imposto de importação dos calçados esportivos, especialmente em relação à perda de empregos, a senadora Ana Amélia…

OCB lança Agenda Institucional 2018 de cooperativismo
A Agenda Institucional 2018 do Cooperativismo foi apresentada pela OCB nesta quarta-feira (11), pelo Sistema OCB, com propostas legislativas para alavancar o setor e garantir segurança jurídica aos cooperados. A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), vice-presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo esteve no evento e destacou compromisso…

3 de abr
Congresso derruba veto ao Refis das micros e pequenas empresas
O Congresso derrubou nesta terça-feira (3) o veto ao projeto que instituía o Refis para micros e pequenas empresas. O  programa de refinanciamento, permitido às empresas que optaram pelo Simples, regime simplificado de tributação, havia sido aprovado pelo Senado no final de 2017.…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail