“Governo não pode ameaçar cortar direitos trabalhistas para pressionar Congresso a aprovar CPMF”, diz senadora

15/10/2015 - Economia


Ana Amélia reafirmou sua posição contra qualquer aumento de impostos

“Governo não pode ameaçar cortar direitos trabalhistas para pressionar Congresso a aprovar CPFM”, diz senadora

Ao comentar declaração do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de que sem CPMF há risco em relação ao futuro do seguro-desemprego e do abono salarial, a senadora Ana Amélia disse que o governo não pode ameaçar cortar direitos trabalhistas para pressionar o Congresso a aprovar a recriação do imposto. A declaração do ministro ocorreu em audiência na Câmara dos Deputados, na quarta-feira (14).

— Os trabalhadores que recebem o abono salarial ou o seguro-desemprego não podem pagar pela gastança descontrolada do governo, que resultou no desajuste das contas públicas. No Senado, votarei contra qualquer aumento de imposto — disse.

Desde que foi sugerida a volta da CPMF a senadora tem manifestado sua posição contra o retorno do tributo e contra a criação de qualquer imposto. Na opinião da senadora gaúcha, essa medida penalizará a economia, os empregos e os consumidores, que pagarão a conta do improviso, da gastança e da incompetência administrativa do governo.

“Governo não pode ameaçar cortar direitos trabalhistas para pressionar Congresso a aprovar CPFM”, diz senadora



Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

22 de ago
Lançado Movimento Combustível Legal
Foi lançado na tarde desta terça-feira (22) o Movimento Combustível Legal, iniciativa do Sindicato dos Combustíveis (Sindicom), com apoio de várias entidades, contra fraudes, sonegação e adulteração. A iniciativa ocorreu na Câmara dos Deputados e reuniu lideranças do setor e parlamentares. A senadora Ana Amélia (PP-RS) participou do evento…

21 de ago
Senadora registra preocupações de empresários calçadistas do Vale do Paranhana
Em discurso nesta segunda-feira (21), a senadora Ana Amélia (PP-RS) registrou a preocupação dos empreendedores do Vale do Paranhana, no Rio Grande do Sul, para preencher as vagas destinadas a pessoas com deficiência. Por lei, as companhias que não reservam 5% das vagas…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail