Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa defende aprovação de projeto para aperfeiçoar o Super Simples

17/02/2016 - Economia


Senadora Ana Amélia participou do encontro nesta quarta-feira

Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa defende aprovação de projeto para aperfeiçoar o Super Simples

Em encontro da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, nesta quarta-feira (17) foi defendida a aprovação do projeto para aperfeiçoar o programa Super Simples. A senadora Ana Amélia (PP-RS), 2ª vice-presidente da Frente, participou da reunião que mobilizou autoridades e parlamentares.

A iniciativa (PLC 125/2015) foi aprovada na Câmara dos Deputados em setembro de 2015 e agora aguarda votação no plenário do Senado. Os senadores relataram que parlamentares destacaram a pressão exercida pelos governadores contra o projeto, relatado pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) com base em dados da Receita Federal e do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) de que haveria uma perda de arrecadação para os Estados e municípios.

O presidente do Sebrae, Guilherme Afif, enfatizou que os pequenos negócios é que estão mantendo a arrecadação. Segundo ele, no setor de micro e pequenas empresas, de 2007 a 2015, a arrecadação da União aumentou em 176%, a dos Estados foi de 73% e dos municípios em 275%.

Presidente da Frente, o deputado federal Jorginho Mello (PR-SC) apresentou o dado que em janeiro de 2016 o número de optantes pelo Super Simples chegou a 10,5 milhões de pequenos negócios. Apesar de representar 97% dos empregos gerados nos últimos dez anos, em dezembro o setor registrou o fechamento de empregos.

— Isso é mais uma prova de que precisamos estimular o crescimento das micro e pequenas empresas e a formalização desses negócios — argumentou.

O presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, Francisco Honório Pinheiro, representou o setor empresarial e afirmou que o projeto de aperfeiçoamento do Super Simples é o mais importante do ano no Congresso Nacional.

— Todos precisam ceder pela aprovação, não é possível a essa altura do Brasil não termos essa legislação — concluiu.

Novo limite e faixa de transição

A ampliação gradativa do teto do Simples Nacional para R$ 14,4 milhões, entre 2017 e 2018, cria uma faixa de transição no regime de tributação. Isso permitirá às empresas crescerem e, na medida em que saem do regime simplificado, assimilarem o regime geral sem inviabilizar sua atividade.

Atualmente, sair do Simples implica majoração imediata de carga tributária de 54% para o comércio, 40% para a indústria e 35% para prestadores de serviços. Além de viabilizar a transição para o Lucro Presumido, a nova sistemática reduz o número de tabelas de 6 para 4 e de faixas de 20 para 7.

Fonte: Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

17 de abr
Modernização das leis trabalhistas é tema de debate promovido pelas federações das indústrias dos estados do Sul
No painel que debateu a modernização das leis trabalhistas, no 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho, nesta segunda-feira (17), a senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu o fim da contribuição sindical obrigatória para empresários e…

30 de mar
Sindicato apresenta estudo sobre impacto da correção das tabelas do Imposto de Renda na economia
Um estudo inédito realizado pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio Grande do Sul (Sescon-RS) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) revela que, dos R$ 97 bilhões arrecadados pelo…

Ana Amélia pede agilidade na liberação de recursos do Proex
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (29), a senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do governo mais agilidade em relação às operações do Programa de Financiamento às Exportações do Governo Federal (Proex). A morosidade nos processos tem prejudicado exportadores brasileiros, disse a parlamentar, lembrando…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail