Falta de uniformidade entre aduanas da Argentina e do Brasil trava comércio bilateral

02/06/2016 - Agricultura


Produtos brasileiros são barrados pelo país vizinho mesmo em áreas de controle integrado

Falta de uniformidade entre aduanas da Argentina e do Brasil trava comércio bilateral

A falta de reconhecimento de documentos oficiais brasileiros pelo Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), mesmo com a existência de acordos comuns de controles aduaneiros, está gerando barreiras aos produtos brasileiros e travando o comércio bilateral. Essa preocupação foi relatada pela senadora Ana Amélia (PP-RS), no plenário do Senado Federal, nesta quinta-feira (2). Segundo a parlamentar, a desarmonia no comércio bilateral entre os dois principais parceiros do Mercado Comum do Sul (Mercosul) está causando problemas na fronteira, sobretudo em municípios gaúchos, como é o caso de Uruguaiana.

— Argentina e Brasil não estão falando a mesma linguagem. Primeiro era em relação aos passageiros nas fronteiras, agora é em relação aos produtos. Então, temos que encontrar um meio termo - disse, referindo-se à existência do recinto alfandegário de Uruguaiana, área que faz parte do controle integrados (ACI).

A senadora também falou sobre o assunto com o deputado Frederico Antunes e já recebeu retorno de representantes do Ministério da Agricultura que irão tratar da situação.

Conhecido como Acordo de Recife, esse marco legal internacional estabeleceu, em 1994, a existência do Acordo de Alcance Parcial para Facilitação do Comércio nº 5, regulado pelo decreto 3761/2001. Esse acordo facilita o comércio nos controles aduaneiros, migratórios, fitossanitários, zoofitosanitários e de transporte para produtos que escoam nesses pontos aduaneiros específicos.

— É inadmissível que a autoridade fitossanitária Argentina não reconheça um documento oficial de um fiscal agropecuário brasileiro, sendo que o mesmo possui poder equivalente, e ambos operam e fiscalizam dentro do recinto alfandegado que é a área de controle integrado, mesmo sendo cada um alocado na sua jurisdição territorial — afirmou.

Para verificar os procedimentos que têm sido adotados na fronteira, em especial do Rio Grande do Sul, quanto ao comércio internacional, a Senadora Ana Amélia solicitou informações ao Ministério da Agricultura.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Ana Amélia destaca demandas de Uruguaiana na tribuna do Senado


Mais notícias:

24 de jun
Agentes da PRF agradecem atuação da senadora Ana Amélia para atender demandas da categoria
Agentes do Posto de Controle da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai, agradeceram o empenho da senadora Ana Amélia (PP-RS) na relatoria do projeto de lei que reajustou o salário…

Produtores do Alegrete e região pedem alteração em MP para usar PIS/ Cofins no abate da dívida do Funrural
No Sindicato Rural do Alegrete, sábado (24), a senadora Ana Amélia (PP-RS) recebeu de produtores da região pedido de alteração na MP 783/2017 para que os créditos do PIS/Cofins possam ser utilizados para abater…

Produtores do Alegrete e região pedem alteração em MP para usar PIS/ Cofins no abate da dívida do Funrural
No Sindicato Rural do Alegrete, sábado (24), a senadora Ana Amélia (PP-RS) recebeu de produtores da região pedido de alteração na MP 783/2017 para que os créditos do PIS/Cofins possam ser utilizados para abater…

23 de jun
Censo Agropecuário 2017 é lançado no Rio Grande do Sul
O Censo Agropecuário 2017 do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE) foi lançado no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira (23), em evento na Emater/RS-Ascar. Em todo o Brasil, 26 mil profissionais visitarão 5,3 milhões de propriedades rurais, sendo 425 mil no…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail