Entrega simbólica de licença da Fepan garante investimento de R$ 450 milhões no Rio Grande do Sul

26/02/2016 - Economia


Ato ocorreu nesta sexta-feira, na Todeschini, em Bento Gonçalves, com a presença da senadora Ana Amélia

Entrega simbólica de licença da Fepan garante investimento de R$ 450 milhões no Rio Grande do Sul

A entrega simbólica da licença prévia (LP) concedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) - com anuência do Ibama - para a fábrica de móveis Todeschini ocorreu no fim da tarde desta sexta-feira (26). A senadora Ana Amélia (PP-RS) participou do evento, que teve a presença do governador José Ivo Sartori, do prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, e demais autoridades.

 A licença vai permitir que a Todeschini amplie a indústria de móveis planejados em um investimento de quase R$ 450 milhões, em Bento Gonçalves e Cachoeira do Sul.

O impasse em relação à licença ambiental envolvia o Ibama porque uma parte da Mata Atlântica, em Bento Gonçalves, precisava ser suprimida para a construção do empreendimento.

Sem a licença, a direção da fábrica estava cogitando em levar a Todeschini para Alagoas, no Nordeste. Mas na semana que passou, o Ibama resolveu a pendência em relação à questão e os dirigentes da indústria de móveis planejados decidiram ficar no estado. A análise do processo teve início em 2013 e, no Ibama, tramitava desde julho de 2015. 

A empresa aguardava a licença ambiental da Fepam, que lhe permitirá dobrar a atual planta de 54 mil metros quadrados para 138 mil metros quadrados, questão que só foi resolvida nos últimos dias. Agora, a Todeschini continuará investindo no estado e, dos R$ 450 milhões, um total de R$ 165 milhões serão aplicados na ampliação da fábrica de Bento Gonçalves. Os R$ 280 mil restantes serão destinados à construção de uma fábrica na localidade de Vila Vargas, em Cachoeira do Sul, onde a empresa possui uma área de 14 mil hectares para reflorestamento.

A senadora Ana Amélia fez um apelo aos representantes dos órgãos ambientais para que, sem abrir mão da preservação ambiental, vençam a burocracia para que o tempo de espera não seja longo e provoque o afastamento de outros empreendimentos do Estado.

A previsão, conforme o presidente do Conselho Administrativo da Todeschini, José Eugênio Farina, é que as obras durem cerca de dois anos e criem mais de mil empregos durante sua implantação.


Com informações da Assessoria de Imprensa do Governo do RS


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

19/12/2018
Aprovado projeto que estabelece critérios de tributação para combater concorrência desleal e sonegação
A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) aprovou, nesta quarta-feira (19), o Projeto de Lei do Senado (PLS) 284/2017-complementar que estabelece critérios especiais de tributação, com o objetivo de prevenir desequilíbrios…

12/12/2018
Ministro do STF confirma manterá suspensão da dívida do RS
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) acompanhou, nesta quarta-feira (12), o governador eleito do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, em audiência com o ministro do STF Marco Aurélio Mello. No encontro para tratar sobre as dívidas do Estado com a União,…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail