Entrega simbólica de licença da Fepan garante investimento de R$ 450 milhões no Rio Grande do Sul

26/02/2016 - Economia


Ato ocorreu nesta sexta-feira, na Todeschini, em Bento Gonçalves, com a presença da senadora Ana Amélia

Entrega simbólica de licença da Fepan garante investimento de R$ 450 milhões no Rio Grande do Sul

A entrega simbólica da licença prévia (LP) concedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) - com anuência do Ibama - para a fábrica de móveis Todeschini ocorreu no fim da tarde desta sexta-feira (26). A senadora Ana Amélia (PP-RS) participou do evento, que teve a presença do governador José Ivo Sartori, do prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, e demais autoridades.

 A licença vai permitir que a Todeschini amplie a indústria de móveis planejados em um investimento de quase R$ 450 milhões, em Bento Gonçalves e Cachoeira do Sul.

O impasse em relação à licença ambiental envolvia o Ibama porque uma parte da Mata Atlântica, em Bento Gonçalves, precisava ser suprimida para a construção do empreendimento.

Sem a licença, a direção da fábrica estava cogitando em levar a Todeschini para Alagoas, no Nordeste. Mas na semana que passou, o Ibama resolveu a pendência em relação à questão e os dirigentes da indústria de móveis planejados decidiram ficar no estado. A análise do processo teve início em 2013 e, no Ibama, tramitava desde julho de 2015. 

A empresa aguardava a licença ambiental da Fepam, que lhe permitirá dobrar a atual planta de 54 mil metros quadrados para 138 mil metros quadrados, questão que só foi resolvida nos últimos dias. Agora, a Todeschini continuará investindo no estado e, dos R$ 450 milhões, um total de R$ 165 milhões serão aplicados na ampliação da fábrica de Bento Gonçalves. Os R$ 280 mil restantes serão destinados à construção de uma fábrica na localidade de Vila Vargas, em Cachoeira do Sul, onde a empresa possui uma área de 14 mil hectares para reflorestamento.

A senadora Ana Amélia fez um apelo aos representantes dos órgãos ambientais para que, sem abrir mão da preservação ambiental, vençam a burocracia para que o tempo de espera não seja longo e provoque o afastamento de outros empreendimentos do Estado.

A previsão, conforme o presidente do Conselho Administrativo da Todeschini, José Eugênio Farina, é que as obras durem cerca de dois anos e criem mais de mil empregos durante sua implantação.


Com informações da Assessoria de Imprensa do Governo do RS


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

17 de abr
Modernização das leis trabalhistas é tema de debate promovido pelas federações das indústrias dos estados do Sul
No painel que debateu a modernização das leis trabalhistas, no 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho, nesta segunda-feira (17), a senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu o fim da contribuição sindical obrigatória para empresários e…

30 de mar
Sindicato apresenta estudo sobre impacto da correção das tabelas do Imposto de Renda na economia
Um estudo inédito realizado pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio Grande do Sul (Sescon-RS) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) revela que, dos R$ 97 bilhões arrecadados pelo…

Ana Amélia pede agilidade na liberação de recursos do Proex
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (29), a senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do governo mais agilidade em relação às operações do Programa de Financiamento às Exportações do Governo Federal (Proex). A morosidade nos processos tem prejudicado exportadores brasileiros, disse a parlamentar, lembrando…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail