Empréstimos do BNDES a outros países terão que ser aprovados pelo Senado, prevê projeto

29/01/2016 - Economia


Expectativa é que a proposta (PRS 2/2014) da senadora Ana Amélia seja votada nas próximas semanas pela Comissão de Assuntos Econômicos

Empréstimos do BNDES a outros países terão que ser aprovados pelo Senado, prevê projeto

Projeto apresentado pela senadora Ana Amélia (PP-RS) exige que as operações de financiamento externo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com entidades estrangeiras de direito público sejam autorizadas pelo Senado. A proposta (PRS 2/2014) está em tramitação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e a expectativa é que seja votada nas próximas semanas.

O Projeto de Resolução do Senado (PRS) altera a Resolução 50/1993, do Senado, que, em sua redação atual, só disciplina as operações com recursos orçamentários da União. Grande parte dos recursos emprestados pelo BNDES tem como origem repasses do Tesouro, mas as operações em si são contratadas diretamente entre o banco e os tomadores do empréstimo.

Ana Amélia explica que essas operações escapam do controle do Senado. De acordo com ela, o BNDES tem realizado operações de financiamento direto a países como Cuba, Angola e Venezuela, sem qualquer controle do Legislativo. Esses recursos já garantiram obras como os metrôs de Caracas e da Cidade do Panamá, hidrelétricas no Equador e no Peru, um porto em Cuba (Mariel), aeroporto e BRT (transporte rápido por ônibus) em Moçambique e vias expressas em Angola.

Ana Amélia esclarece que, se seu projeto for aprovado, o controle do Senado seria limitado às operações cujo mutuário é um governo estrangeiro. Não seriam afetados financiamentos externos vinculados à exportação de bens e serviços nacionais.

— Os interesses dos cidadãos precisam ser respeitados, e a transparência é o mecanismo mais democrático para fazer valer esse direito. A sociedade brasileira quer saber em que condições são aplicados esses recursos, que faltam para infraestrutura, educação, segurança e tantas outras necessidades de nosso país — enfatizou Ana Amélia.

Atualmente, o PRS 2/2014 está novamente em análise pelo relator na CAE, senador Romero Jucá (PMDB-RR). Em novembro do ano passado, ele havia apresentado relatório pela aprovação, salientando que, entre 2007 e 2013, foram liberados US$ 7,8 bilhões para esse tipo de operação. Apesar de esse volume de recursos representar apenas 2% da carteira de crédito do BNDES, "é extremamente significante para um país tão carente desse tipo de investimento”, acrescentou. Agora, Jucá deve apresentar novo relatório nas próximas semanas, para que o projeto seja votado na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Depois, seguirá para votação em Plenário.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11 de abr
Impactos de medidas ao setor calçadista serão debatidos em audiência no Senado
Preocupada com as consequências econômicas e sociais negativas para o setor calçadista brasileiro de uma possível redução do imposto de importação dos calçados esportivos, especialmente em relação à perda de empregos, a senadora Ana Amélia…

OCB lança Agenda Institucional 2018 de cooperativismo
A Agenda Institucional 2018 do Cooperativismo foi apresentada pela OCB nesta quarta-feira (11), pelo Sistema OCB, com propostas legislativas para alavancar o setor e garantir segurança jurídica aos cooperados. A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS), vice-presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo esteve no evento e destacou compromisso…

3 de abr
Congresso derruba veto ao Refis das micros e pequenas empresas
O Congresso derrubou nesta terça-feira (3) o veto ao projeto que instituía o Refis para micros e pequenas empresas. O  programa de refinanciamento, permitido às empresas que optaram pelo Simples, regime simplificado de tributação, havia sido aprovado pelo Senado no final de 2017.…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail