Em artigo na Zero Hora, Ana Amélia aborda desafios para aumentar participação feminina na política

09/03/2018 - Agricultura


Mulheres têm optado por carreiras de Estado, onde o ingresso é o concurso público

 Em artigo na Zero Hora, Ana Amélia aborda baixa participação feminina na política

A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) destacou, nesta sexta-feira (9), em artigo no jornal Zero Hora, a disparidade entre a participação feminina em cargos eletivos e nas carreiras de Estado. A parlamentar gaúcha avaliou que ainda há um longo caminho para “empoderar as mulheres na política”.

— A conquista de mais espaço na política dependerá não apenas da vontade das mulheres, mas, sobretudo, dos comandos partidários na garantia real de espaço e recursos às mulheres que queiram entrar na atividade política — disse.

Leia o artigo na íntegra: 

Exortação às Mulheres

Cresce no país a participação das mulheres nas carreiras de Estado, em contraste com a reduzida representação feminina na atividade política. Exemplos não faltam para confirmar essa tendência. Mulheres comandam hoje o Supremo Tribunal Federal, o Superior Tribunal de Justiça, a Procuradoria-Geral da República e a Advocacia-Geral da União. A presença feminina é expressiva, também, em outras carreiras de Estado, como Ministério Público, Polícia Federal e Forças Armadas. Da mesma forma, cada dia mais, as mulheres ingressam nas polícias civis e militares dos Estados, como é o caso da Brigada Militar e de Ana Maria Hass, recém graduada como primeira coronel em 180 anos da instituição gaúcha.

Neste março das mulheres, impõe-se, entretanto, uma reflexão sobre a pouca representação feminina na política, sobretudo nos Legislativos. As mulheres totalizam 51% da população brasileira e 52% do eleitorado, mas no Senado ocupam apenas 12 das 81 cadeiras, ou 14,8%, situação um pouco melhor do que na Câmara Federal, com 55 deputadas para 513 cadeiras, ou 10,7% do total. Nas Assembleias Estaduais e Câmaras de Vereadores, o quadro não é muito diferente.

Quais as razões dessa disparidade? Penso que a estabilidade proporcionada pelas carreiras de Estado, permitindo que as mulheres possam planejar suas vidas pessoal e profissional, seja a primeira justificativa para essas escolhas. Na carreira política, o concurso para ingresso é o voto, que precisa ser confirmado ao fim de cada mandato. Além disso, a superexposição e a perda de privacidade no desempenho da atividade política, especialmente em tempos de crise e escândalos, contribuem para o desestímulo à participação, comprometendo a formação de novas lideranças políticas femininas.

Para uma efetiva mudança desse quadro, não bastam palavras de ordem como "mulher vota em mulher" nem sistema artificial de quotas ou novas leis. A conquista de mais espaço na política passa pela identificação e o incentivo às candidatas que se mostrem realmente vocacionadas para a atividade, que acreditam na sua capacidade para promover transformações e desejam realizar sonhos pessoais e ambições políticas, por parte dos dirigentes partidários. Porém, ainda temos um árduo caminho a ser trilhado para empoderar as mulheres na política, assim como está ocorrendo nas carreiras de Estado. Fica a convocação neste ano de eleições gerais. Isso dependerá não apenas da vontade das mulheres, mas, sobretudo, dos comandos partidários na garantia real de espaço e recursos às mulheres que queiram entrar na atividade política.

Senadora (Progressistas-RS) ana.amelia@senadora.leg.br


Fonte: Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail