Editorial do jornal O Estado de S.Paulo destaca PEC da senadora Ana Amélia

31/08/2015 - Economia


Proposta foi aprovada por unanimidade no dia 26 de agosto e seguiu para análise da Câmara dos Deputados

Editorial do jornal O Estado de S.Paulo destaca PEC da senadora Ana Amélia

A PEC 4/2015, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), aprovada por unanimidade na semana passada pelo Senado, foi destacada nesta segunda-feira (31) em editorial do jornal O Estado de S.Paulo. Na publicação, o jornal destaca que “o objetivo imediato da PEC é blindar Estados e municípios de leis patrocinadas pela União que aumentam os encargos financeiros dos entes federados, mas não vêm acompanhadas do correspondente aumento de receita”.

Leia abaixo o editorial do jornal O Estado de S.Paulo:

Cortesia com chapéu alheio

O ESTADO DE S. PAULO

Recentemente, o Senado Federal deu um passo em direção a uma maior responsabilidade nos gastos públicos. Foi aprovada uma proposta de emenda à Constituição (PEC 84/2015) proibindo que uma lei crie ou aumente despesas da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos municípios sem a previsão de fonte orçamentária ou sem a transferência dos recursos necessários ao seu custeio. O objetivo imediato da PEC é blindar Estados e municípios de leis patrocinadas pela União que aumentam os encargos financeiros dos entes federados, mas não vêm acompanhadas do correspondente aumento de receita. O texto está agora na Câmara dos Deputados.

A PEC tenta evitar, assim, a chamada “cortesia com chapéu alheio”. Foi o que ocorreu, por exemplo, em 2008, com a criação, em âmbito federal, de um piso único para todos os professores da rede pública de educação básica – da educação infantil até o ensino médio. Ainda que louvável sua intenção de garantir uma remuneração mínima para os professores, a iniciativa ignorou a realidade federativa brasileira. Muitos Estados e municípios não têm condições de arcar com o valor-base. Também é preciso reconhecer que um piso uniforme para todo o País pode não ser a melhor garantia de uma remuneração justa, já que há muitas diferenças no custo de vida entre as várias regiões do País.

Ainda que comemorada pela categoria profissional beneficiada, não é esse tipo de lei que traz melhoras consistentes ao País. Aprova-se uma lei “justa” e “moderna” que depois é desrespeitada por boa parte dos Estados e municípios, sem condições orçamentárias para bancar seu custo.

A PEC vem, assim, trazer um pouco de realismo ao processo legislativo, impedindo medidas que, na teoria, podem ser boas, mas estão longe de serem generalizáveis a todo o País. A política é a arte do possível, e não a arte da irresponsabilidade. “É muito fácil propor e onerar sem saber de onde vem o dinheiro”, afirmou o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE).

De autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), a PEC foi aprovada por unanimidade pelo Senado, com algumas alterações propostas pelo relator, senador Delcídio do Amaral (PT-MS). Autorizou-se o aumento de despesas quando as obrigações financeiras forem assumidas espontaneamente pelos entes federados ou quando decorrerem da fixação do aumento do salário mínimo, que é nacional.

A rápida aprovação da PEC 84/2015 pelo Senado evidencia também que, quando há interesse dos parlamentares, uma proposta caminha com eficiência. Por tramitar em regime de urgência, o projeto não precisou passar pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Outro fator que contribuiu para a agilidade da proposta foi um acordo entre os líderes dos partidos, possibilitando a votação em dois turnos na mesma sessão.

Ao bloquear leis que aumentem as despesas sem as correspondentes receitas, a PEC 84/2015 não apenas promove a responsabilidade do Poder Executivo federal – motivo pelo qual recebeu a aprovação unânime dos senadores. Ela impõe limites ao próprio Poder Legislativo, ao impedir a criação de leis financeiramente irresponsáveis. Não é ocioso lembrar que leis tão criticadas agora pelos Estados e municípios – como é o caso da imposição de um piso comum a todos os professores públicos do País – passaram em algum momento pelo Congresso Nacional.

Também não é ocioso lembrar que a PEC 84/2015 protege, mas não impede totalmente as irresponsabilidades. Enquanto o Senado aprovava a mencionada PEC, a Câmara dos Deputados dava andamento a outra proposta de emenda, que cria um piso nacional para policiais e bombeiros (PEC 446/2009). Por ironia, o autor dessa PEC é o atual presidente do Senado, Renan Calheiros. Pouco adiantaria que a Constituição impeça leis que criam despesas sem receitas, se o Congresso ficar criando despesas sem receitas por emendas à Constituição.

Link da matéria: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,cortesia-com-chapeu-alheio,1753294


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

17 de abr
Modernização das leis trabalhistas é tema de debate promovido pelas federações das indústrias dos estados do Sul
No painel que debateu a modernização das leis trabalhistas, no 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho, nesta segunda-feira (17), a senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu o fim da contribuição sindical obrigatória para empresários e…

30 de mar
Sindicato apresenta estudo sobre impacto da correção das tabelas do Imposto de Renda na economia
Um estudo inédito realizado pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio Grande do Sul (Sescon-RS) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) revela que, dos R$ 97 bilhões arrecadados pelo…

Ana Amélia pede agilidade na liberação de recursos do Proex
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (29), a senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do governo mais agilidade em relação às operações do Programa de Financiamento às Exportações do Governo Federal (Proex). A morosidade nos processos tem prejudicado exportadores brasileiros, disse a parlamentar, lembrando…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail