Diza Gonzaga, presidente da Fundação Thiago Gonzaga, receberá Diploma Bertha Lutz no Senado

30/11/2016 - Geral


Senadora Ana Amélia indicou Diza pelo relevante trabalho da fundação em salvar vidas no trânsito

Diza Gonzaga, presidente da Fundação Thiago Gonzaga, receberá prêmio Bertha Lutz no Senado

A 16ª Edição do Diploma Bertha Lutz, homenagem dedicada a mulheres que prestam relevante contribuição social, agraciará a gaúcha Diza Gonzaga, presidente da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga e idealizadora do projeto Vida Urgente. A indicação, proposta pela senadora Ana Amélia (PP-RS), foi aprovada nesta quarta-feira (30) pelos senadores que compõe a comissão especial do prêmio.

Em 1996, após a morte do filho Thiago em um acidente de trânsito em Porto Alegre, Diza criou, ao lado do marido Régis, a Fundação Thiago de Moraes Gonzaga. Desde então, através do projeto Vida Urgente, trabalha na conscientização de jovens sobre os perigos de misturar álcool e direção, além dar atendimento às pessoas que passaram pelo trauma de perder um parente ou amigo em acidente de trânsito. Segundo Diza, nesses 20 anos foram mais de 700 famílias atendidas.

Além de Diza Gonzaga serão agraciadas com o diploma Denice Santiago Santos do Rosário, Izabel Cristina de Azevedo Heyvaert, Raimunda Luzia de Brito e Tatiane Bernardi Teixeira Pinto.

Sobre Bertha Lutz

A bióloga e advogada paulista Bertha Maria Julia Lutz foi uma das figuras mais significativas do feminismo e da educação no Brasil do século XX. Aprovada em um concurso público para pesquisadora e professora do Museu Nacional no ano de 1919, tornou-se a segunda brasileira a fazer parte do serviço público no Brasil.

Tomou contato com o movimento feminista ao estudar na Europa. No retorno ao Brasil, fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF). Uma das principais bandeiras levantadas por Bertha Lutz na época era garantir às mulheres o direito de votar e de ser votada. Isso só ocorreu no Brasil em 3 de maio de 1933, na eleição para a Assembleia Nacional Constituinte.

Bertha Lutz foi eleita suplente para a Câmara dos Deputados em 1934. Em 1936 assumiu o mandato de deputada, que durou pouco mais de um ano. Ela faleceu em 1976, no Rio de Janeiro.


Foto: Diza Gonzaga durante entrega de comenda à Fundação Thiago de Moraes Gonzaga/DivulgaçãoCMPA

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

Hoje
O Brasil é uma nação sem consciência da sua própria grandeza e das riquezas presentes em seu território. A afirmação foi feita pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, em audiência pública nesta quinta-feira (22) na Comissão…

21 de jun
Ana Amélia questiona decisão de Fachin de retirar do juiz Moro investigação contra Lula
A senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou, nesta terça-feira (20), explicações do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, sobre a decisão de retirar da 13ª Vara Federal de Curitiba, onde tramitam os processos da Operação Lava Jato sob…

CCJ votará PEC que altera processo de escolha de ministros do STF na próxima semana
A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) adiou, para a próxima semana, a votação de um conjunto de 12 propostas de emenda à Constituição (PECs) que modificam o processo de escolha dos ministros do Supremo…

Crise é gravíssima e exige responsabilidade dos líderes de todos poderes, alerta Ana Amélia
A senadora Ana Amélia (PP-RS) manifestou a sua preocupação com os desdobramentos da crise que o país atravessa, sobretudo quando a questão é analisada sob a ótica do funcionamento e autonomia das instituições e dos poderes…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail