Diza Gonzaga, presidente da Fundação Thiago Gonzaga, receberá Diploma Bertha Lutz no Senado

30/11/2016 - Geral


Senadora Ana Amélia indicou Diza pelo relevante trabalho da fundação em salvar vidas no trânsito

Diza Gonzaga, presidente da Fundação Thiago Gonzaga, receberá prêmio Bertha Lutz no Senado

A 16ª Edição do Diploma Bertha Lutz, homenagem dedicada a mulheres que prestam relevante contribuição social, agraciará a gaúcha Diza Gonzaga, presidente da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga e idealizadora do projeto Vida Urgente. A indicação, proposta pela senadora Ana Amélia (PP-RS), foi aprovada nesta quarta-feira (30) pelos senadores que compõe a comissão especial do prêmio.

Em 1996, após a morte do filho Thiago em um acidente de trânsito em Porto Alegre, Diza criou, ao lado do marido Régis, a Fundação Thiago de Moraes Gonzaga. Desde então, através do projeto Vida Urgente, trabalha na conscientização de jovens sobre os perigos de misturar álcool e direção, além dar atendimento às pessoas que passaram pelo trauma de perder um parente ou amigo em acidente de trânsito. Segundo Diza, nesses 20 anos foram mais de 700 famílias atendidas.

Além de Diza Gonzaga serão agraciadas com o diploma Denice Santiago Santos do Rosário, Izabel Cristina de Azevedo Heyvaert, Raimunda Luzia de Brito e Tatiane Bernardi Teixeira Pinto.

Sobre Bertha Lutz

A bióloga e advogada paulista Bertha Maria Julia Lutz foi uma das figuras mais significativas do feminismo e da educação no Brasil do século XX. Aprovada em um concurso público para pesquisadora e professora do Museu Nacional no ano de 1919, tornou-se a segunda brasileira a fazer parte do serviço público no Brasil.

Tomou contato com o movimento feminista ao estudar na Europa. No retorno ao Brasil, fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF). Uma das principais bandeiras levantadas por Bertha Lutz na época era garantir às mulheres o direito de votar e de ser votada. Isso só ocorreu no Brasil em 3 de maio de 1933, na eleição para a Assembleia Nacional Constituinte.

Bertha Lutz foi eleita suplente para a Câmara dos Deputados em 1934. Em 1936 assumiu o mandato de deputada, que durou pouco mais de um ano. Ela faleceu em 1976, no Rio de Janeiro.


Foto: Diza Gonzaga durante entrega de comenda à Fundação Thiago de Moraes Gonzaga/DivulgaçãoCMPA

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

20 de nov
Para senadora, indicações para Ministério da Justiça e PF fortalecerão a Lava Jato e o combate à corrupção
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) elogiou o que chamou de comprometimento do futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, com o combate à corrupção. Segundo a parlamentar gaúcha, as indicações feitas até agora por Moro…

Senadores reagem e projeto que atingiria a Lei da Ficha Limpa é arquivado
Durante a sessão do Plenário do Senado Federal desta terça-feira (20), diversos senadores, entre eles a senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) declararam ser contra a votação com urgência do projeto de lei (PLS 396/2017-Complementar) que retira do alcance da…

19 de nov
“Não podemos dar as costas à sociedade”, diz Ana Amélia sobre projeto que enfraquece Lei da Ficha Limpa
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) anunciou em Plenário que assinou o requerimento para a retirada da urgência do projeto que flexibiliza a Lei da Ficha Limpa. A proposta (PLS 396/2017) determina que as penas previstas…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail