Debatedores destacam papel da Embrapa na modernização da agropecuária

21/05/2015 - Agricultura


Audiência na CRA, presidida pela senadora Ana Amélia, foi realizada nesta quinta-feira

Debatedores destacam papel da Embrapa na modernização da agropecuária


A capacidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) de sustentar o protagonismo na geração de inovações, que nas últimas décadas orientou a modernização e o crescimento da agropecuária brasileira, foi analisada em audiência pública nesta quinta-feira (21) no Senado. O debate foi realizado na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS).

Foi unânime entre os senadores o reconhecimento da contribuição da Embrapa na transformação da agricultura praticada no país até a década de 1970, ineficiente e pouco produtiva, em um setor moderno e competitivo, líder mundial em exportações. Mas também foram comuns preocupações com a defasagem do conhecimento produzido no país e com a dependência de tecnologias geradas e controladas por outros países.

— A Embrapa foi muito importante, principalmente na ocupação do Centro-Oeste, no desenvolvimento de novas variedades e tecnologias. Mas o que me preocupa é a dependência tecnológica que temos em relação a outros países. Em áreas como transgenia e biotecnologia, estamos a reboque de outros países — disse o senador Blairo Maggi (PR-MT).

Na visão do parlamentar, para que o país continue a integrar o grupo de grandes atores mundiais no agronegócio, deve ampliar os aportes de recursos na pesquisa agrícola, de forma a superar os desafios colocados para o setor.

E não são pequenos esses desafios, como deixou claro o presidente da Embrapa, Maurício Lopes, na apresentação aos senadores. Além de mercados cada vez mais dinâmicos e competitivos, disse ele, a agropecuária enfrenta mudanças no clima, restrições no uso da água, permanentes ameaças à sanidade animal e vegetal, decorrentes das extensas fronteiras do país, entre outros desafios.

— Significa que vamos ter que investir cada vez mais em ciência, isso é inexorável. Precisamos dar cada vez mais atenção ao sistema de pesquisa e inovação — disse, ao informar que os países competidores no agronegócio aplicam cerca de 3,5% do produto interno bruto (PIB) agrícola em ciência e tecnologia, enquanto o Brasil investe em torno de 1,5% .

Rede

Na audiência, conduzida pela presidente da CRA, senadora Ana Amélia, Maurício Lopes informou que a Embrapa tem 9,8 mil empregados, dos quais 2,4 mil são pesquisadores, espalhados por uma rede de 46 unidades de pesquisa em todo o país. No último ano, disse, o orçamento da empresa foi de R$ 2,7 bilhões, com atuação no Brasil e em todos os continentes, em cooperação com entidades de pesquisa de diversos países.

Frente ao questionamento de Blairo Maggi sobre a pouca presença da Embrapa no mercado de transgênicos, Maurício Lopes disse que a Embrapa é uma das poucas instituições públicas de pesquisa agropecuária no mundo que consegue ter presença nesse mercado, que é extremamente intensivo em investimentos.

Em resposta ao senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), ele negou que a empresa tenha perdido pesquisadores, insatisfeitos com a restrição a pesquisas.

— Absolutamente não há evasão ou perda de competência e perdas de cérebros na Embrapa. Pelo contrário, o que temos é uma demanda imensa para que a Embrapa abra concursos. Muitas vezes perdemos um ou outro profissional que vai para o setor privado, mas nada como evasão de competências, não existe isso — afirmou.

Novos enfoques

Maurício Lopes apresentou aos senadores os programas de pesquisa desenvolvidos pela Embrapa e destacou novos enfoques, como a chamada agricultura multifuncional, na qual se inclui a produção de alimentos biofortificados, mais ricos em termos nutricionais e com maior atuação na promoção da saúde.

O dirigente também informou que a empresa tem ampliado as investigações em sistemas de produção que combinem produtividade com proteção ambiental, inclusão e melhoria da qualidade de vida no meio rural. Destacou a ampliação da agricultura de baixo carbono, focada em processos produtivos limpos e na gestão racional dos recursos hídricos.

Entre os resultados obtidos pela empresa, ele citou a manutenção do terceiro maior banco genético do mundo, conquistas em termos de melhoramento genético, o desenvolvimento de cultivares precoces para o Centro-Oeste, que já estarão à disposição dos produtores na próxima safra, entre outros.

Maurício Lopes ressaltou ainda os investimentos no programa de melhoramento preventivo, que visa formar, antecipadamente, estoques genéticos de diferentes culturas resistentes a pragas, antes que elas entrem no país.

— Estamos monitorando e mapeando quais são as pragas e doenças que estão circulando ao redor do mundo e que, se chegarem ao Brasil, podem causar um grande problema — disse.

Os senadores Donizete Nogueira (PT-TO), José Medeiros (PPS-MT) e Lasier Martins (PDT-RS) se disseram bem impressionados com os resultados obtidos pela empresa e a diversidade de ações. No mesmo sentido, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) citou variedade de café desenvolvida em Rondônia, que fez com que a cultura desse um salto de produtividade.

Extensão rural

Já os senadores Waldemir Moka (PMDB-MS) e Elmano Ferrer (PTB-PI), apesar de elogiarem a qualidade do trabalho da Embrapa, apontaram falhas no processo de divulgação dos novos conhecimentos aos agricultores. Na avaliação dos parlamentares, o desmonte do sistema de extensão rural prejudicou a difusão de tecnologias ao campo.

Ao concordar, a senadora Ana Amélia lembrou que a Comissão de Agricultura acompanhará neste ano a Política de Assistência Técnica e Extensão Rural, devendo aprofundar a discussão sobre os problemas do setor em audiências públicas com autoridades, extensionistas e representantes dos agricultores.

Também presente ao debate, João Flávio Veloso e Silva, chefe da Embrapa Agrossilvipastoril, unidade localizada em Mato Grosso, disse ser política da empresa a aproximação com as necessidades dos agricultores, de forma a desenvolver pesquisas para todos os segmentos, ou seja, para pequenos, médios e grandes produtores.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail