Debate na Comissão de Agricultura revela preocupação com defesa sanitária nas fronteiras

22/10/2015 - Agricultura


Presidente da CRA, senadora Ana Amélia alertou que é preciso cuidado com produtos vindos de fora

Debate na Comissão de Agricultura revela preocupação com defesa sanitária nas fronteiras

Deficiências no controle das fronteiras ampliam o risco de entrada de pragas e doenças que afetam lavouras e criações de animais, conforme destacado em debate nesta quinta-feira (22) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA).

— O Brasil não é uma ilha, está cercado de países que são produtores de alimentos que importamos. Muitas coisas entram sem controle, entram por contrabando. É um cuidado que tem que ser redobrado — resumiu a senadora Ana Amélia (PP-RS), presidente da CRA.

Mesmo o controle sobre produtos importados é falho, disse Ana Amélia. Isso, segundo ela, resulta no abastecimento do mercado interno com alimentos que podem ter sido produzidos com o uso de agrotóxicos proibidos no Brasil.

— Muitas frutas que importamos da China, da Argentina têm componentes químicos que estão proibidos no Brasil. Por que são proibidos aqui e aceitamos comprar fruta que vem de fora, correndo o risco de introduzir aqui pragas que já foram erradicadas? — questionou a senadora.

Os senadores Dário Berger (PMDB-SC) e Donizeti Nogueira (PT-TO) também alertaram para a gravidade da situação.

— Temos poucos fiscais, pouca estrutura e temos que fazer mais com menos, mas precisamos fazer o mínimo necessário para garantir a sanidade animal e vegetal — frisou Berger.

O senador por Santa Catarina é relator da avaliação da política de defesa sanitária agropecuária, uma das prioridades da CRA em 2015.

Exportações

A importância da vigilância sanitária para a exportação de produtos agropecuários foi destacada por Edilene Cambraia Soares, da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O agronegócio, segundo informou, responde por 42% das exportações brasileiras, sendo o país o maior exportador mundial de carne bovina, café, açúcar, suco de laranja e frango. Em 2012, disse ela, as exportações do agronegócio atingiram US$ 95,8 bilhões.

Para Dário Berger, os avanços da participação do Brasil no mercado mundial e o acirramento das disputas comerciais aumentam as preocupações com a entrada de pragas e doenças no país.

— Santa Catarina é o único estado livre da febra aftosa sem vacinação, é um ganho extraordinário que não podemos colocar em risco — observou, ao comentar disputas no mercado mundial de carne bovina.

Parcerias

Frente às dimensões territoriais do país e à extensão das fronteiras, Ana Amélia ressaltou a necessidade de parceria dos estados, como o serviço realizado pelos fiscais federais agropecuários mantidos pela União.

Nesse sentido, Ronaldo José Ribeiro, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, destacou a importância do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa).

Coordenado pelo governo federal, esse sistema visa à simplificação e à racionalização dos procedimentos de vigilância sanitária, com atenção a diferenças de abordagens entre grandes empreendimentos agrícolas e a produção artesanal.

— Como é um sistema de participação voluntária, só 11 estados estão aderindo ao sistema — lamentou a senadora pelo Rio Grande do Sul.

Agrotóxicos

No debate, os senadores Blairo Maggi (PR-MT) e Waldemir Moka (PMDB-MS) afirmaram que a produção de alimentos saudáveis é uma exigência do mercado e um objetivo perseguido pelos produtores rurais.

— Se quisermos fazer agricultura no nosso clima tropical, não tem jeito de abrir mão dos agroquímicos. Eu gostaria muito, como produtor, de produzir e não gastar um centavo com isso. Mas temos que fazer uma opção: ou vamos produzir usando esses produtos, ou deixamos de produzir e as consequências serão muito maiores — disse Maggi.

Sobre o assunto, Roberto Faria de Sant'Anna, consultor Jurídico do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal, citou pesquisa mostrando que 40% da produção agrícola mundial são perdidas pelo ataque de pragas.

— A agricultura brasileira é tropical, clima ideal para o desenvolvimento das pragas. Em países de clima temperado, a neve faz o controle natural — disse o consultor.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail