Debate da Comissão de Agricultura aponta alternativas para estimular a produção de cacau

18/09/2015 - Agricultura


Audiência da CRA foi realizada durante o 3º Festival Internacional do Chocolate e Cacau, em Belém, no Pará

Debate da Comissão de Agricultura aponta alternativas para estimular a produção de cacau

Ações para fortalecer a cadeia do cacau no Brasil, principalmente no estado do Pará, segundo maior produtor do país, foram discutidas nesta sexta-feira (18) em audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), realizada em Belém.

O debate, de iniciativa do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), foi realizado em meio à programação do 3º Festival Internacional do Cacau e Chocolate da Amazônia, na capital paraense, e foi conduzido pela presidente da CRA, senadora Ana Amélia (PP-RS). Em abril, audiência sobre o tema foi realizada em Ilhéus, na Bahia, principal produtor do país.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca do Pará, Hildegardo Nunes, o governo do estado tem dado especial atenção à cacauicultura na região, por meio de um programa estadual para desenvolvimento do setor. Com isso, a produção do cacau cresceu 13% no último ano, tendo para 2015 a estimativa de produção de 110 mil toneladas. O setor, explicou o secretário, contabiliza cerca de 200 mil empregos diretos e indiretos, em uma produção sustentável, baseada em recuperação de áreas degradadas e compensação de gás carbônico.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki, também presente no evento, acrescentou que a meta do governo é fazer o Pará ultrapassar a Bahia, transformando-se até 2023 no maior produtor de cacau no país. A intenção é investir também no processamento da massa de cacau e na fabricação do chocolate.

As ações implementadas pelo governo para estimular o setor incluem a criação de um fundo específico para apoiar a cacauicultura e a desoneração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para máquinas e equipamentos utilizados na produção de chocolate.

— Estamos sinalizando aos produtores e às indústrias do setor que o estado está coeso na verticalização das atividades econômicas e que esses foram apenas os primeiros passos. Ainda estamos analisando novas ações para criar um ambiente seguro para produção no estado — afirmou.

Obstáculos

Apesar dos esforços para estímulo da cacauicultura, os participantes da audiência pública reconheceram que o momento é complicado para o setor. Dados apresentados pelo secretário-executivo da Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau, Walter Tegani, mostraram que o consumo de chocolate está em queda no país desde 2013. Na Páscoa deste ano, houve queda de 30% nas vendas em relação a 2014. A expectativa dos produtores era que o país, atualmente o terceiro maior mercado consumidor de chocolate do mundo, ultrapassaria a Alemanha, o segundo maior, já em 2016, o que não será mais possível.

Uma solução apresentada na audiência foi a aprovação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 93/2015, de autoria da senadora Lídice da Mata (PSB-BA), que prevê teor mínimo de 35% de cacau puro nos chocolates produzidos e comercializados no país, seguindo a norma geral do mercado internacional. A proposta é relatada na CRA pelo senador Flexa Ribeiro.

Não há consenso, no entanto,  sobre o projeto. Para o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), Ubiracy Fonseca, a exigência de aumento da quantidade de cacau nos chocolates vai encarecer o produto e diminuir a demanda. Segundo ele, as indústrias de chocolate no Brasil atendem a todo tipo de público, inclusive aquele que se dispõe a pagar mais caro para ter um chocolate com maior teor de cacau.

— Nós não somos contrários à proposta, mas é preciso analisar com cuidado as possibilidades e a efetividade da implementação desta medida, porque o cenário no país hoje é de queda de consumo — ponderou.

Ceplac

Os participantes do debate também reforçaram a importância da manutenção da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), órgão do Ministério da Agricultura, que promove a competitividade e a sustentabilidade do setor cacaueiro no país. A Ceplac atua em seis estados (Bahia, Espírito Santo, Pará, Amazonas, Rondônia e Mato Grosso), centrada basicamente em pesquisa e acompanhamento da cacauicultura, atendendo hoje 70 mil produtores.

Os representantes do setor pediram aos senadores que intercedam junto à ministra da Agricultura, Kátia Abreu, para que a Ceplac seja fortalecida. A comissão tem perdido pesquisadores, que se aposentam, e sofrido reduções sucessivas de orçamento. Ana Amélia e Flexa Ribeiro garantiram que a CRA já tem feito esforços nesse sentido.

— Sabemos que fortalecer a Ceplac é fortalecer também o produtor — argumentou Flexa.

Também participaram do debate no Pará o vice-governador do estado, Zequinha Marinho; o presidente da Assembleia Legislativa, Márcio Miranda; a deputada federal Júlia Marinho; o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), Carlos Fernandes Xavier; o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Medicilândia (PA), Ivan Dantas Ferreira; o diretor-geral da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Helinton José Rocha; e o vice-reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia, Paulo de Jesus Santos, entre outros.

A discussão faz parte do Ciclo de Palestras e Debates da CRA, a ser realizado pela comissão durante o biênio 2015-2016 para traçar um panorama dos problemas e das potencialidades da agropecuária brasileira.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

24 de jun
Agentes da PRF agradecem atuação da senadora Ana Amélia para atender demandas da categoria
Agentes do Posto de Controle da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai, agradeceram o empenho da senadora Ana Amélia (PP-RS) na relatoria do projeto de lei que reajustou o salário…

23 de jun
Censo Agropecuário 2017 é lançado no Rio Grande do Sul
O Censo Agropecuário 2017 do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE) foi lançado no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira (23), em evento na Emater/RS-Ascar. Em todo o Brasil, 26 mil profissionais visitarão 5,3 milhões de propriedades rurais, sendo 425 mil no…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail