Crise no RS é herança de uma gestão irresponsável, avalia Ana Amélia

24/11/2016 - Economia


Rio Grande do Sul decretou estado de calamidade financeira

Crise no RS é herança de uma gestão irresponsável, avalia Ana Amélia

Ao comentar o decreto de estado de calamidade financeira do Rio Grande do Sul na tribuna, nesta terça-feira (22), a senadora Ana Amélia (PP-RS) disse que a decisão tomada pelo atual governador, José Ivo Sartori (PMDB), é o resultado de uma herança que recebeu de um governo que gastou irresponsavelmente e promoveu um déficit nas contas do Estado acima da média.

Ana Amélia citou que o governo anterior, de Tarso Genro (PT), recebeu o Estado com um superávit de R$ 142 milhões, mas entregou, quatro anos depois, com um déficit de R$ 4,4 bilhões. Além disso, realizou saques do caixa único e dos depósitos judiciais que totalizaram mais de R$ 7 bilhões. Os números apresentados pela parlamentar foram divulgados em matéria do jornal Zero Hora.

— Esses números deixam muito claro o que está acontecendo hoje no Rio Grande do Sul e a consequência dramática das finanças como a herança da irresponsabilidade fiscal de quem faz um saque de R$ 7 bilhões — disse a senadora.

A senadora acrescentou que gestão pública de qualidade e responsabilidade fiscal não podem ter ideologia, apenas competência e responsabilidade com o dinheiro público.

— Gastar muito não é gastar bem. Por isso, é preciso gastar com responsabilidade e investir com qualidade o dinheiro público — acrescentou.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Crise no RS é resultado da herança de irresponsabilidade do PT, diz Ana Amélia


Mais notícias:

1 de nov
Senado aprova projeto para desenvolvimento da metade sul do Rio Grande do Sul
O Senado aprovou, nesta quarta-feira (31), por unanimidade — 53 votos favoráveis — o projeto que autoriza a criação de uma região integrada para o desenvolvimento da Metade Sul do Rio Grande do Sul. A ideia é definir…

10 de ago
Ana Amélia é contra aumento de salário para ministros e parlamentares
A decisão tomada pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal de conceder reajuste em seus próprios vencimentos, a partir do ano que vem, em 16,38%, "é inoportuna e provoca um preocupante efeito-cascata nas despesas públicas. O alerta foi feito…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail