Controle de javalis selvagens requer articulação de governo e sociedade, dizem especialistas

17/03/2016 - Agricultura


Presidida pela senadora Ana Amélia, Comissão de Agricultura realizou audiência nesta quinta-feira (17)

Controle de javalis selvagens requer articulação de governo e sociedade, dizem especialistas

Espécie exótica introduzida no país para criação comercial, o javali se dispersou de forma rápida e hoje ameaça a diversidade biológica, destrói plantações e oferece riscos à saúde humana, alertaram especialistas em debate nesta quinta-feira (17) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS). O controle dos animais, disseram, requer a adoção de medidas articuladas entre sociedade e órgãos públicos federais, estaduais e municipais.

O javali é original da Europa, mas tem grande capacidade de adaptação a diferentes ecossistemas e alto potencial reprodutivo, como explicou Rafael Salerno, coordenador da Rede Aqui Tem Javali. Como exemplificou, em 1991, foi registrada a presença de javalis selvagens em apenas um município do Rio Grande do Sul e hoje, 25 anos depois, os animais estão em todo o estado.

Ugo Eichler Vercillo, do Ministério do Meio Ambiente (MMA), explicou que o javali compete com espécies nativas, como queixada e cateto (também conhecido como caititu); altera nascentes e pequenos cursos de água; e é predador de anfíbios, répteis e pequenos mamíferos. Além dos impactos econômicos, pela destruição de lavouras, frisou, os animais atacam trabalhadores nas fazendas e transmitem doenças ao ser humano.

Atualmente, o javali selvagem está disseminado em 15 estados brasileiros e seu controle é feito por armadilhas e pela caça autorizada por instrução normativa do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama). A permissão se deve à “declarada nocividade da espécie exótica invasora”, disse João Riograndense, coordenador de Autorização de Uso e Gestão de Fauna e Recursos Pesqueiros do Ibama.

— Esse problema é de toda a sociedade brasileira. Precisamos conscientizar nossa população de que o Ibama autoriza [a caça] porque esse animal causa sérios prejuízos à saúde pública, ao ambiente e à economia — afirmou.

Para a presidente da CRA, senadora Ana Amélia, a situação é grave e exige a mobilização de todos. Como ressaltou, é preciso esclarecer a população sobre os riscos da disseminação do javali, de forma a reduzir as críticas por parte de grupos de defesa de animais.

— As pessoas que são vítimas dessa espécie exótica invasora precisam divulgar o prejuízo ambiental, o estrago na lavoura, a foto de uma pessoa ferida ou morta por um animal desses. É preciso vencer a guerra da comunicação nesse processo — disse.

Os senadores Waldemir Moka (PMDB-MS), Blairo Maggi (PR-MT) e Wellington Fagundes (PR-MT) relataram prejuízos em propriedades rurais de seus estados e apontaram a falta de predadores naturais como uma das dificuldades para o controle dos javalis. Eles também ressaltaram a importância da articulação de ações de órgãos federais com as secretarias estaduais e municipais de agricultura.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail