Congresso aprova meta de déficit de R$ 170,5 bi para 2016

25/05/2016 - Economia


Senadora Ana Amélia destacou a decisão pensando no País

Congresso aprova meta de deficit de R$ 170,5 bi para 2016

Ao fim de 17 horas de sessão, o Congresso Nacional aprovou na madrugada desta quarta-feira (25) a nova meta fiscal para 2016, proposta pelo governo interino de Michel Temer, prevendo deficit de R$ 170,5 bilhões. Com isso, o Brasil deverá completar três anos consecutivos sem conseguir fazer economia para pagar os juros da sua dívida. A mudança segue para sanção presidencial.

A alteração, promovida pelo PLN 1/2016, incide sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano, que previa, originalmente, um superavit de R$ 24 bilhões. A alteração da meta já havia sido proposta em março, na gestão da presidente afastada Dilma Rousseff. Sob alegação de queda de arrecadação e aumento dos gastos públicos, a previsão de superavit foi transformada em estimativa de deficit de R$ 96,7 bilhões.

A equipe econômica de Temer, porém, apresentou um novo cálculo para o deficit, excluindo a previsão de arrecadações consideradas incertas — como a recriação CPMF, ainda em discussão, e a repatriação de recursos no exterior, ainda não efetivada. O presidente interino veio ao Congresso na última segunda-feira (23) para entregar a revisão do PLN 1.

Segundo o Ministério do Planejamento, a revisão também obedece “recentes entendimentos provenientes dos órgãos de controle”, em referência à necessidade de correção das chamadas “pedaladas fiscais” (atrasos de repasses de recursos do Tesouro Nacional aos bancos públicos). Esse tipo de manobra fiscal passou a ser recusada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em 2015, quando da análise das contas do governo federal do ano anterior. A prática embasou denúncia que resultou na abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

O projeto não foi votado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) e seguiu direto para o Plenário. Se não conseguisse aprovar a nova meta até a próxima semana, o governo seria obrigado a cortar R$ 137,9 bilhões nas despesas não obrigatórias, para garantir o superavit previsto na LDO, além dos R$ 44,6 bilhões já contingenciados no primeiro bimestre.

Apesar do quadro deficitário para a União, o novo texto aponta, até março, superavit primário de R$ 8,1 bilhões para os estados e de R$ 1,2 bilhão para os municípios. Os montantes, somados, superam em R$ 2,7 bilhões a meta originalmente prevista na LDO 2016.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) votou a favor da aprovação. Destacou a necessidade de aprovação para garantir recursos para hospitais e outros destinos importantes para a população brasileira, especialmente em um momento de grave crise, com desemprego, inflação e com a saúde na UTI.

— Precisamos recolocar o País nos trilhos. É o que deseja quem está numa fila em busca de trabalho ou de atendimento em um hospital ou ainda aquela dona de casa que vai no mercado e já não consegue mais comprar o que comprava na semana anterior por conta da inflação elevada. A aprovação foi uma decisão pensando no País — opinou a senadora.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


"É preciso responsabilidade dos parlamentares para recolocar o País nos trilhos, diz Ana Amélia


Mais notícias:

20 de set
PEC da senadora pode servir como base no debate sobre compensação aos Estados em função da Lei Kandir
A PEC 22/2014, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), que prevê a troca do pagamento da dívida dos Estados com os créditos fiscais das exportações, decorrentes da Lei Kandir, conta com o…

14 de set
Ana Amélia: aparelhamento político provocou estrago no patrimônio dos trabalhadores da Petrobras
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (13), a senadora Ana Amélia falou sobre o rombo no Petros, fundo de pensão dos funcionários e aposentados da Petrobras, que foi administrado pelo PT, de R$ 14 bilhões. — O aparelhamento político fez…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail