Comitiva vai ao Ministério para tentar evitar fechamento da Usina Termelétrica de Charqueadas

03/05/2016 - Geral


Senadora Ana Amélia participou da reunião no Ministério de Minas e Energia

Fechamento da Usina Termoelétrica de Charqueadas é tema de reunião

A possibilidade de fechamento da UTE Charqueadas levou uma comitiva de lideranças gaúchas ao Ministério de Minas e Energia nessa terça-feira. O grupo foi formado pelo secretário de Minas e Energia do Rio Grande do Sul, Lucas Redecker, senadora Ana Amélia (PP-RS), parlamentares e prefeitos. A preocupação é com o impacto social e econômico que o encerramento das atividades da usina levaria para a Região Carbonífera. A comitiva reuniu-se com o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Luiz Eduardo Barata Ferreira e o diretor da Aneel Reive Barros dos Santos.

Entre as conclusões do encontro está a proposta, que será apresentada ao Conselho de Administração da Tractebel, para que mantenha a usina em atividade pelo menos até o fim de 2017, a tempo de encontrar uma alternativa para a manutenção dos 2.400 empregos. Outra medida é a criação de um grupo de trabalho, que vai atuar permanentemente em busca de uma solução para o problema.

A senadora Ana Amélia argumentou que foi graças a energia térmica que salvou-se o país de um apagão este ano. — Há um fator social extremamente relevante, que não pode ser desconsiderado. Há ainda o fato de ser uma região carente de investimentos, por isso a manutenção desse investimento é fundamental — argumentou.

O secretário de Minas e Energia, Lucas Redecker, disse que teme pelo impacto social que o fechamento da UTE possa representar para a região Carbonífera do RS. 

— O governo do Estado não recebeu nenhuma informação oficial sobre o fechamento da usina. As informações que chegam são de outras fontes. Faço um apelo à empresa para que os prazos anteriormente acordados sejam mantidos, dando tempo para que a comunidade regional possa se organizar e para que alternativas possam ser encontradas — declarou. O secretário ainda destacou que a autorização da redução da potência da usina foi um avanço importante e que, neste momento, seguem as tratativas em busca de um investidor que possa construir uma nova usina ou até mesmo modernizar a UTE Charqueadas.

O prefeito de Charqueadas, Davi Gilmar, argumentou que, caso a companhia decida pela interrupção da produção de energia, o impacto será sentindo por toda a região, já que afetará fornecedores de carvão, terceirizados, transportadoras etc. Gilmar lembrou que a economia local é carente e, recentemente, sofreu com a perda da Iesa Óleo e Gás, que teve o contrato de montagem de módulos de plataformas rescindido em consequência da crise que se abate sobre a Petrobras. O prefeito defendeu a manutenção da geração de energia com a capacidade reduzida.

Participaram da reunião também o senador Lasier Martins, os deputados federais Alceu Moreira, Afonso Hahn, Afonso Motta, Giovani Cherini, José Luiz Jansson Laydner, da Tractebel; Ildo Grutner, da EPE e Cristiano Vieira da Silva, superintendente de Geração da Aneel.

Fechamento da Usina Termoelétrica de Charqueadas é tema de reunião

Sobre a UTE Charqueadas

A usina precisa se adequar às normas da Resolução Normativa nº 500, de 17 de julho de 2012, da Aneel. A medida estabelece critérios de eficiência para as usinas de energia e entreou em vigor em dezembro de 2015. Os custos desta operação é que podem inviabilizar a manutenção da UTE. A resolução aplica-se para todas as usinas beneficiárias da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), inclusive para a térmica de Charqueadas.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

Hoje
Bancada gaúcha lança frente parlamentar pela construção do Hospital do Câncer
Os 34 parlamentares gaúchos no Congresso Nacional se uniram pela construção do Hospital do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição (GHC). A bancada gaúcha lançou, nesta quarta-feira (28), Frente Parlamentar em Prol da Construção do Hospital do Câncer GHC. O…

Comissão mista aprova relatório da MP 774. Destaques serão votados na semana que vem
A comissão mista que analisa a MP 774 aprovou hoje, no Senado, o relatório do senador Airton Sandoval (PMDB-SP), mantendo a desoneração de setores importantes para a economia como o coureiro-calçadista, têxtil e de Tecnologia…

27 de jun
“Não podemos admitir ameaças e incitação à violência”, defende Ana Amélia
A senadora Ana Amélia (PP-RS) criticou o discurso de petistas e nota oficial do partido que defendeu o Luís Inácio Lula da Silva fazendo ameaças e incitando a violência. De acordo com a parlamentar gaúcha, o ex-presidente recebe tratamento deum “ ídolo…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail