Comissão propõe atualização da Política Nacional de Defesa Agropecuária

10/12/2015 - Agricultura


Relatório foi aprovado nesta quinta-feira na sessão da CRA, presidida pela senadora Ana Amélia

Comissão propõe atualização da Política Nacional de Defesa Agropecuária

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) apresentará um projeto de lei para instituir a Política Nacional de Defesa Agropecuária, com o objetivo de modernizar práticas e regulamentar normas sobre o controle sanitário. A proposta, que está em fase de elaboração, é um dos resultados do processo de avaliação de políticas públicas realizado pelo colegiado em 2015.

Nesta quinta-feira (10), sob a presidência da senadora Ana Amélia (PP-RS), a CRA aprovou o relatório do senador Dário Berger (PMDB-SC), que traçou um diagnóstico sobre a defesa agropecuária no país. Segundo ele, o marco regulatório do setor é formado hoje por um conjunto de normas infralegais.

— A partir das análises realizadas, verificou-se que o marco regulatório da defesa agropecuária se encontra defasado, sendo necessário que se promova a consolidação e a racionalização das normas relativas à defesa agropecuária – afirmou.

O relatório recomenda ainda a aprovação de projetos, como o PLS 16/2013 e o PLS 581/2015, que estabelecem regras para a rotulagem de produtos. Berger indica ainda aprovação do PLS 434/2015, que obriga estabelecimentos comerciais a realizarem análises químicas e microbiológicas de alimentos colocados à venda para o consumidor final.

Para o senador, a defesa agropecuária tem papel estratégico para o desenvolvimento e a sustentabilidade do agronegócio, responsável por 23% do produto interno bruto e por cerca de 40% das exportações nacionais. Daí a importância da avaliação de sua eficácia pelo Senado.

Diagnóstico

No diagnóstico apresentado sobre o setor, Berger enfatizou que é preciso garantir orçamento permanente para as atividades de defesa agropecuária:

“A descontinuidade das atividades de defesa agropecuária, mesmo que por breves períodos, coloca em risco a segurança alimentar da população e a sanidade das populações vegetais e animais, podendo comprometer de forma severa o setor produtivo nacional. Não é razoável, portanto, que os recursos mínimos necessários à continuidade das atividades de defesa agropecuária sejam passíveis de contingenciamento”.

Suasa

Outro ponto abordado pelo senador no relatório é a baixa adesão de municípios ao Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa). “Uma das causas seria a regulamentação atual, que oferece pouco ou nenhum atrativo para a estruturação dos sistemas de inspeção municipal”, avaliou.

Registro

Quanto ao registro de agroquímicos, o problema, segundo Berger, diz respeito à fila para o registro de defensivos agrícolas. O prazo, relatou, pode ser superior a 12 anos.

“Dentre as soluções que podem ser aventadas, cogita-se a formação de grupo sob a coordenação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que centralize a avaliação dos agroquímicos sob o ponto de vista agronômico, ambiental e da saúde humana”.

A presidente da CRA, senadora Ana Amélia, e os demais senadores que integram o colegiado parabenizaram o trabalho de Berger.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail