Comissão de Assuntos Sociais aprova projeto que acelera cobrança de dívida trabalhista

09/09/2015 - Geral


Senadora Ana Amélia foi a relatora da proposta, que ainda precisa de votação em turno suplementar pela CAS

Comissão de Assuntos Sociais aprova projeto que acelera cobrança de dívida trabalhista

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou nesta quarta-feira (9), em decisão terminativa, projeto de lei que torna mais célere a cobrança dos débitos trabalhistas já reconhecidos pela Justiça do Trabalho. Estatísticas indicam que, de cada cem trabalhadores que ganham a causa, apenas 30, em média, conseguem efetivamente receber o crédito

Apresentado pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR), o Projeto de Lei do Senado (PLS) 606/2011, que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), é resultado de sugestão do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A senadora Ana Amélia (PP-RS) foi a relatora da proposta, que ainda precisa de votação em turno suplementar pela CAS, antes de seguir para a Câmara dos Deputados.

O texto propõe novas regras para o cumprimento das sentenças e a execução dos títulos extrajudiciais, como os termos de ajuste de conduta firmados perante o Ministério Público do Trabalho e os termos de conciliação originários das comissões de conciliação prévia.

O objetivo das mudanças é adequar a execução trabalhista às novas normas de direito processual adotadas pelo Código de Processo Civil, sancionado em março deste ano. O projeto, por exemplo, reforça a possibilidade de o juiz adotar, por iniciativa própria, as medidas necessárias ao cumprimento da sentença ou do título extrajudicial.

Ana Amélia acrescentou apenas uma emenda de mérito ao texto, que também passou pela Comissão de Assuntos Econômicos. Conforme a nova redação, será dispensada a caução nos casos de crédito decorrente de ato ilícito, até o limite de dez vezes o valor do salário-mínimo, se o credor demonstrar situação de necessidade.

O texto aprovado na CAE estabelecia o limite de trinta vezes o salário mínimo, o que não satisfez as confederações empresariais. A relatora, então, reduziu o limite, de forma a permitir um acordo que viabilize a aprovação da proposta no Senado.

A senadora também acompanhou as duas comissões anteriores na decisão de rejeitar os dois outros projetos que tramitam em conjunto com o PLS 606/2011: os PLS 92/2012 e 351/2012.

Atualização

Segundo Ana Amélia, as alterações vão ao encontro do processo judicial eletrônico e eliminam atos processuais desnecessários.

— Trata-se, portanto, de atualizar a execução trabalhista, colocando-a a passo da execução cível e das alterações sociais, econômicas e tecnológicas que se produziram nos últimos anos — apontou a senadora.

A relatora também destacou que o substitutivo da CCJ ratificado pela CAE adotou "o princípio da conciliação, observado em vários momentos do processo como ferramenta de pacificação social relevante".

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

23 de jun
Em artigo no jornal Correio Braziliense, Ana Amélia apresenta proposta para democratizar processo de escolha de ministros do STF
Em artigo publicado nesta sexta-feira (23), no jornal Correio Braziliense, a senadora Ana Amélia (PP-RS) destacou proposta que altera o processo de escolha dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A parlamentar…

22 de jun
O Brasil é uma nação sem consciência da sua própria grandeza e das riquezas presentes em seu território. A afirmação foi feita pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, em audiência pública nesta quinta-feira (22) na Comissão…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail