Comissão de Agricultura quer esclarecer denúncia de fraude em delimitação de área quilombola

08/10/2015 - Agricultura


Senadora Ana Amélia presidiu debate, nesta quinta-feira, sobre denúncias de irregularidades em Brejo Grande (SE)

Comissão de Agricultura quer esclarecer denúncia de fraude em delimitação de área quilombola

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS), recebeu denúncias de fraude em processo de delimitação de área quilombola no município de Brejo Grande (SE). As irregularidades foram abordadas durante audiência pública nesta quinta-feira (8).

Participaram do debate o bancário aposentado Manfredo Goes Martins, que reivindica a propriedade das terras em disputa, a juíza de Direito Rosivan Machado da Silva, natural de Brejo Grande, e José Fausto Santos, líder de colônia de pescadores do município. Os três afirmaram que o processo de reconhecimento do povoado Brejão como comunidade quilombola estaria sendo conduzido por um grupo de pessoas que não representa os cerca de dois mil moradores do lugar.

A comissão insistirá, no entanto, no convite a Marcos Bispo, procurador-regional do Instituto Brasileiro de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Sergipe, e Lívia Tinoco, procuradora do Ministério Público Federal no estado, para esclarecer a denúncia. Eles não compareceram à audiência desta quinta-feira.

— Quero apresentar um protesto pela ausência desses órgãos, que foram convidados. Como órgãos públicos, têm a obrigação de estarem presentes numa audiência pública do Senado Federal — frisou a senadora Ana Amélia.

A comissão também renovará convite feito ao padre Isaias, coordenador da Cáritas Diocesana em Sergipe, e a Maria Izaltina Silva Santos, representante da comunidade quilombola Brejão dos Negros, que não justificaram o não comparecimento ao debate desta quinta-feira.

Denúncia

As três pessoas ouvidas pela CRA afirmaram que a associação dos moradores do Brejão não foi ouvida e não reconhece o povoado como sendo quilombola. Se o processo de delimitação prosperar, alertaram, as terras ocupadas há décadas por famílias de posseiros passarão a pertencer a um coletivo.

Segundo Manfredo Martins, o Incra já emitiu certidões para a delimitação da área quilombola, que inclui não apenas o povoado Brejão, mas outros povoados vizinhos.

— O mais grave é que nenhum dos povoados foi chamado a participar do processo, para se autodefinir ou não como quilombola. A situação é tão escandalosa que o cadastro [do Incra] inclui famílias com declaração expressa de que não são quilombolas — informou Martins.

José Fausto Santos contou que assinou documento usado para obtenção de registro de comunidade quilombola pensando ser reivindicação de acesso a políticas públicas. Ele disse estar sendo perseguido por não reconhecer o povoado como comunidade quilombola.

Fraude

Para o senador Waldemir Moka (PMDB-MS), os relatos indicam a existência de fraude.

— Salvo melhor juízo, os relatos que ouvimos aqui caracterizam uma fraude. Pessoas foram cadastradas sem saber o motivo e o que aquele documento significava — disse Moka.

Essa também foi a opinião manifestada pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), autor do requerimento para realização do debate. Já os senadores Paulo Rocha (PT-PA) e Donizeti Nogueira (PT-TO) disseram ser necessário ouvir todos os envolvidos, para que a comissão possa chegar a uma conclusão.

No debate, a senadora Ana Amélia relatou outros casos de dúvidas sobre laudos antropológicos que embasam definição de área indígena ou quilombola, situação que resulta em insegurança jurídica e conflitos fundiários. Ao concordar com a presidente da CRA, o senador José Medeiros (PPS-MT) apontou ineficiência e orientação ideológica na atuação do Incra e da Funai.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail