Comissão de Agricultura pede fonte permanente de recursos para extensão rural

17/12/2015 - Agricultura


Presidida pela senadora Ana Amélia, CRA aprovou relatório de avaliação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Comissão de Agricultura pede fonte permanente de recursos para extensão rural

A Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Pnater) precisa de uma fonte de financiamento permanente e de um plano decenal de investimentos. As recomendações estão no relatório do senador Donizeti Nogueira (PT-TO) sobre a ação do governo que tem como objetivo levar inovação tecnológica para o campo. O documento foi aprovado nesta quinta-feira (17) pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS), e será encaminhado ao Poder Executivo.


Como parte do relatório, o senador Donizeti apresenta uma sugestão de projeto de lei para mudar o paradigma do crédito rural, que usualmente destina recursos para aquisição de tecnologias físicas (insumos, equipamentos, instalações) e comercialização, mas poucos recursos para a aquisição de conhecimento pelos produtores.

“Vincula-se percentual do montante de recursos destinados ao Plano Agrícola e Pecuário, do Mapa, e ao Plano Safra da Agricultura Familiar, do Ministério de Desenvolvimento Agrário, para o financiamento exclusivamente da oferta e contratação de serviços de assistência técnica e extensão rural”, explica o relator.

A avaliação de políticas públicas federais pelas comissões permanentes do Senado é prevista no Regimento Interno da Casa e ocorre todos os anos.
Debates

Durante o ano, a CRA, presidida pela senadora Ana Amélia, promoveu audiências sobre a Política de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que embasaram o relatório apresentado pelo senador Donizeti. Para os parlamentares, a melhoria da produtividade na agricultura familiar e nas médias propriedades rurais depende do acompanhamento sistemático de agrônomos e técnicos agrícolas, orientando o agricultor quanto às soluções mais adequadas em cada fase da atividade agrícola.

Os debates evidenciaram que há carência de técnicos no campo e alcance restrito da política de Ater. Nos cinco anos de vigência da Lei 12.188/2010, que instituiu a política, apenas 435,9 mil unidades familiares de produção foram atendidas, cerca de 10% do universo de 4,3 milhões de estabelecimentos familiares brasileiros.

A lentidão na implantação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), regulamentada há mais um ano, por meio do Decreto 8.252/2014, é outro entrave para o desenvolvimento do setor agropecuário.

— Não obstante, a implantação da Anater tem sido lenta, muito em função da falta de vontade política e agilidade do Poder Executivo. Mas seu maior desafio talvez venha a ser a escassez de recursos orçamentários federais para a implantação da Pnater e do Pronater, razão pela qual, apresentamos nos anexos minuta de projeto a fim de proporcionar mais recursos para a implantação da Pnater e para o pleno funcionamento da Anater – apontou Donizeti.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail