Comissão de Agricultura e Reforma Agrária aprova projeto para reduzir custo da renegociação de dívidas rurais

06/08/2015 - Agricultura


Iniciativa da senadora Ana Amélia (PP-RS) também tem objetivo de agilizar as operações nas instituições financeiras

Comissão de Agricultura e Reforma Agrária aprova projeto que reduz custo para renegociação de dívidas rurais

A renegociação de dívidas contraídas pelos produtores rurais poderá ser facilitada, se for transformado em lei o projeto (PLS 354/2014) da senadora Ana Amélia (PP-RS). Aprovado nesta quinta-feira (6) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), o texto precisa passar pela Comissão de Assuntos Econômicos, antes de seguir para exame na Câmara dos Deputados.

Presidente da CRA, Ana Amélia destacou, após a aprovação, que o projeto foi originado em artigo do advogado Marco Antônio Floriano Bittencourt. No texto recebido pela senadora, era destacado que haveria saída para superar o passivo do setor agropecuário de maneira correta, sem prejuízo aos cofres públicos. Conforme o PLS 354/2014, o Manual de Crédito Rural deve ser utilizado nas operações de renegociação, evitando cobranças irreais dos bancos e viabilizando o pagamento das dívidas.

— Os produtores rurais, às vezes, têm momentos de dificuldades. Eles não querem moratória, mas condições justas para honrar seus compromissos — declarou Ana Amélia.

A proposta estabelece regras para que agricultores que contraíram empréstimos e estejam inadimplentes possam negociar suas dívidas diretamente junto a instituições financeiras que integram o Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR), de forma mais ágil. Ana Amélia explica que muitos produtores rurais são levados a contrair novos empréstimos para quitar débitos anteriores, sendo frequente a necessidade de renegociação.

Em muitos casos, a falta de ambiente para entendimento leva à judicialização dos conflitos relativos ao crédito rural, atrasando a solução e prejudicando a produção de alimentos no país. Para a parlamentar gaúcha, os problemas de endividamento dos produtores serão solucionados com mais agilidade e menor custo se as instituições financeiras forem incentivadas a promover acordos por meio de processos administrativos.

O texto define regras para esses acordos, como o estabelecimento de prazos. Para a conclusão de um processo de renegociação, prevê até 180 dias, com a possibilidade de prorrogação por igual período, “mediante comprovada justificativa”. Determina ainda que, após receber do agricultor o pedido de negociação da dívida, o banco terá até 60 dias para responder, após análise pelas áreas Jurídica, de Gestão de Riscos e de Reestruturação de Ativos. Serão analisadas, entre outras, a proposta de quitação apresentada pelo credor e sua capacidade de cumprimento do novo acordo.

O banco poderá pedir perícias técnicas e sugerir mudanças na proposta, caso o agricultor seja devedor de outros empréstimos rurais. Se aprovada, a proposta terá força de título extrajudicial. Caso a proposta seja indeferida, o agricultor poderá recorrer em até 15 dias. Nesse caso, as instâncias de análise devem emitir relatório final em até 60 dias. Sanados os vícios ou omissões apontados no relatório final, a proposta poderá ser reapresentada.

Em voto favorável, o relator, Blairo Maggi (PR-MT), lembra que o financiamento do setor produtivo rural tem peculiaridades devido ao alto risco da atividade agropecuária, afetada pelo clima, pragas e pela volatilidade dos mercados.

– Eventuais renegociações de dívidas rurais são inevitáveis, mas o excesso de burocracia quase sempre leva à necessidade de edição de leis, o que torna o processo de renegociação moroso, prejudicando o setor produtivo, que precisa de respostas rápidas para planejar sua produção – observou o relator, ao afirmar que as medidas previstas no PLS 354/2014 ajudarão a agilizar a renegociação das dívidas.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

9 de nov
Farsul e Federarroz entregam demandas ao ministro da Agricultura
O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, e o vice-presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Ferreira, apresentaram ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi, demandas do setor para equiparar os custos de produção no Brasil, aos dos países do Mercosul.…

8 de nov
Senadora garante apoio à demanda dos produtores brasileiros de cebola
A senadora Ana Amélia (Progressistas-RS) vai solicitar o apoio dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Agricultura, Blairo Maggi, ao pedido da Associação Nacional dos Produtores de Cebola (ANACE) para aumentar de 10% para 35%…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail