Comissão de Agricultura do Senado debate sanidade agropecuária na Expointer

04/09/2015 - Agricultura


Audiência foi realizada nesta sexta-feira (4), em Esteio, por iniciativa da senadora Ana Amélia

Comissão de Agricultura do Senado debate sanidade agropecuária na Expointer

Com auditório lotado, a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado debateu, nesta sexta-feira (4), o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-Poa). A audiência foi realizada dentro da programação da Expointer 2015, em Esteio (RS), por iniciativa da senadora Ana Amélia, que preside a CRA.

Durante o debate, realizado no auditório da Federacite, foi destacada a importância da inspeção agropecuária para a qualidade do produto oferecido ao consumidor. Ana Amélia ressaltou que essa é uma política pública do governo sob avaliação da CRA este ano, com relatoria do senador Dário Berger (PMDB-SC).

Conforme destacou a parlamentar gaúcha, o produtor está preocupado com a qualidade da carne e de outros produtos oferecidos aos cidadãos. Ana Amélia também ressaltou que é preciso viabilizar o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbipoa), implantado pelo Ministério da Agricultura, de forma a garantir eficiência, rapidez e segurança.

– É uma forma de garantia do produto consumido, seja fruta ou carne. Estamos discutindo os mecanismos que a defesa agropecuária tem a oferecer ao consumidor, para que possa consumir um produto de qualidade – declarou a senadora.

Responsabilidade

Para a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, a manutenção de critérios de segurança sanitária é uma questão de responsabilidade do país com o cidadão. Ela disse que a diminuição da burocracia e o aumento da transparência são medidas que poderão permitir que uma empresa de um estado comercialize em outro. Kátia Abreu defendeu a modernização dos sistemas de segurança sanitária e disse que a inspeção constante será apenas nas empresas de abate. Segundo ela, o Ministério da Agricultura vai trabalhar para facilitar a produção de pequenos e médios produtores, como forma de incrementar a agropecuária como um todo.

— Nada será feito em prejuízo da saúde dos brasileiros e nada será feito que não seja bom para o país — afirmou a ministra.

O presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Luiz Carlos Folador, entregou à ministra Kátia Abreu um documento com as demandas do setor agropecuário gaúcho. Folador, que é prefeito de Candiota (RS), pediu novos procedimentos que prevejam a equivalência de medidas de inspeção sanitária entre os estados. Para o prefeito, a diferença de critérios prejudica a saúde da população e impede a expansão de negócios.

Na visão do secretário-adjunto de Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies, a segurança do consumidor é inegociável e as inspeções sanitárias são indispensáveis. Spies defendeu a presença do médico veterinário como peça fundamental do sistema de sanidade animal. Para o secretário, com a presença do veterinário, ganha o produtor e ganha o consumidor. Já os representantes da União Nacional dos Fiscais Agropecuários (Unafa) e do Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) defenderam o papel do fiscal agropecuário.

Economia

O secretário da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul, Ernani Polo, disse que o Brasil precisa avançar na economia, com apoio à agropecuária. Ele lamentou que muitos estados não tenham a estrutura necessária para atender às demandas do setor agropecuário. Com maior segurança sanitária, disse o secretário, haverá maior qualidade do produto. Segundo Polo, a sanidade precisa ser preservada e não deve sofrer nenhum tipo de ameaça. O deputado Luiz Carlos Heinze (PP-RS) também fez uma defesa do setor agropecuário, como gerador de emprego e de crescimento econômico.

— É o único setor que está dando certo no país. O Brasil pode e deve produzir mais — declarou o deputado.

A audiência também foi marcada pela participação popular. Por e-mail ou por ligação gratuita, muitas participações foram registradas. Um produtor do Mato Grosso do Sul manifestou preocupação com as questões burocráticas da produção. Por e-mail, um internauta do Ceará pediu abatedouros modernos. Já outras participantes manifestaram receio com uma possível terceirização da fiscalização sanitária.

Também participaram da audiência representantes do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (Crea-RS) e de outras entidades, além de prefeitos e produtores. O evento foi realizado em conjunto com a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados.

A audiência pública na Expointer foi a 10ª do Ciclo de Debates da comissão neste ano. O primeiro encontro ocorreu em março, em Não-Me-Toque, durante a Expodireto-Cotrijal, e discutiu questões relacionadas à logística do setor. Também ocorreram audiências em Porto Alegre, Ijuí (RS), Petrolina (PE), Ilhéus (BA), Palmas (TO) e Brasília.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail