Cidades gaúchas da fronteira pedem a manutenção da cota de US$ 300 nos free shops, alerta Ana Amélia

09/06/2015 - Economia


Redução a US$ 150 entrará em vigor no dia 1º de julho e ameaça a economia desses municípios

Cidades gaúchas da fronteira pedem a manutenção da cota de US$ 300 nos free shops, alerta Ana Amélia

Em discurso no Senado, nesta terça-feira (9), a senadora Ana Amélia (PP-RS) lamentou a falta de coordenação do governo, que reduziu de US$ 300 para US$ 150 na cota de compras em free shops nas fronteiras, mas não regulamentou a lei que permite a instalação desses estabelecimentos comerciais no lado brasileiro. A cota reduzida está prevista para entrar em vigor no dia 1º de julho.

A parlamentar gaúcha destacou que moradores e empresários das cidades gaúchas localizadas na fronteira desejam a manutenção da cota de US$ 300. A redução dessa isenção, conforme Ana Amélia, seria uma boa medida, que estimularia a compra de produtos nas lojas francas no Brasil. Sem a regulamentação, no entanto, os maiores prejudicados são os consumidores brasileiros, que ainda não contam com free shop no país e são surpreendidos com a redução das cotas nos países vizinhos.

— Os free shops que serão criados Brasil vão poder vender produtos nacionais e importados com isenção ou suspensão de impostos, mas a Receita Federal ainda deve divulgar a lista do que poderá ser comercializado — disse a senadora.

Durante o discurso, Ana Amélia relatou mensagem recebida da empresária gaúcha Fabiana Aguinsky, que mantém lojas em Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul, e na vizinha Rivera, no Uruguai. De acordo com a senadora, a redução da cota, associada à recessão e ao dólar alto, prejudica ainda mais a vida dos empreendedores.

— É uma situação muito grave, muito séria, que atinge o cotidiano de quem vive na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai, especialmente. Outros Estados fronteiriços também estão vivendo situação semelhante — declarou a senadora, que foi relatora no Senado da lei autorizando a criação de free shops em cidades-gêmeas de fronteira.

Free shops

A medida publicada no dia 21 de julho do ano passado – e que deve entrar em vigor no dia 1º de julho de 2015 – determina que as importações acima de US$ 150 serão tributadas com uma alíquota do imposto de importação de 50%. A nova cota valerá também para transporte fluvial (por rios) e lacustre (lagos). Para o ingresso de mercadorias no país por meio de transporte aéreo, porém, a cota será mantida inalterada em US$ 500 por pessoa.

A portaria 307 do Ministério da Fazenda estabeleceu ainda uma cota extra de até US$ 300 para o regime de lojas francas ou free shops, que poderá funcionar, além dos portos e aeroportos com alfândega, em 28 cidades brasileiras de fronteira. Por este regime, as pessoas que comprarem produtos nessas lojas poderão gastar até US$ 300 acima da cota de US$ 150 por pessoa sem a cobrança de imposto de importação.

Para que a medida entre em vigor, é preciso que as cidades gêmeas publiquem leis municipais autorizando o funcionamento deste tipo de comércio e que a Receita Federal finalize as regras. Alguns municípios gaúchos já aprovaram leis municipais para regulamentar a atividade dos free shops, enquanto outros ainda estão discutindo as regras. No Rio Grande do Sul, 10 cidades de fronteira poderão ter free shops: Chuí, Santana do Livramento, Jaguarão, Porto Xavier, Aceguá, Barra do Quaraí, Itaqui, Quaraí, São Borja e Uruguaiana.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

17 de abr
Modernização das leis trabalhistas é tema de debate promovido pelas federações das indústrias dos estados do Sul
No painel que debateu a modernização das leis trabalhistas, no 1º Fórum Sul Brasileiro de Relações do Trabalho, nesta segunda-feira (17), a senadora Ana Amélia (PP-RS) defendeu o fim da contribuição sindical obrigatória para empresários e…

30 de mar
Sindicato apresenta estudo sobre impacto da correção das tabelas do Imposto de Renda na economia
Um estudo inédito realizado pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio Grande do Sul (Sescon-RS) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) revela que, dos R$ 97 bilhões arrecadados pelo…

Ana Amélia pede agilidade na liberação de recursos do Proex
Em discurso na tribuna nesta quarta-feira (29), a senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do governo mais agilidade em relação às operações do Programa de Financiamento às Exportações do Governo Federal (Proex). A morosidade nos processos tem prejudicado exportadores brasileiros, disse a parlamentar, lembrando…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail