Brasil precisa de responsabilidade fiscal, afirma Ana Amélia

10/10/2016 - Economia


Senadora defendeu aprovação da PEC 241

Brasil precisa de responsabilidade fiscal, afirma Ana Amélia

“O Brasil precisa de responsabilidade fiscal”, disse nesta segunda-feira (10) em Plenário a senadora Ana Amélia (PP-RS), ao defender a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, que limita os gastos públicos e que está em votação na Câmara dos Deputados.

Ela atribuiu ao desequilíbrio das contas públicas o aumento do desemprego, que hoje está em 12 milhões de pessoas, e da dívida pública, que chega a 70% do Produto Interno Bruto (PIB). Para a senadora, não adianta dar um "passo maior do que as pernas" e gastar mais do que é possível.

— Essa desorganização das contas públicas é que levou a esses 12 milhões de desempregados. E quem paga mais pela inflação são os mais pobres. A perda do poder aquisitivo do salário é determinada pela inflação e são os mais pobres que perdem esse poder aquisitivo. Os mais ricos têm as suas formas de salvaguardar o seu patrimônio.

Ana Amélia também contestou as críticas de que a PEC dos gastos públicos venha a reduzir recursos para a educação, prejudicando até o acesso à universidade por meio do Fies, o fundo de investimento estudantil.

Ela citou dados que revelam a redução no número de contratos do Fies, justamente devido à desorganização fiscal brasileira. Segundo esses dados, em 2013, foram 559,9 mil. Em 2014, ano da eleição, 732 mil contratos e, no ano passado, houve redução drástica, com 227 mil contratos do Fies.


Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Brasil precisa de responsabilidade fiscal, afirma Ana Amélia


Mais notícias:

1 de nov
Senado aprova projeto para desenvolvimento da metade sul do Rio Grande do Sul
O Senado aprovou, nesta quarta-feira (31), por unanimidade — 53 votos favoráveis — o projeto que autoriza a criação de uma região integrada para o desenvolvimento da Metade Sul do Rio Grande do Sul. A ideia é definir…

10 de ago
Ana Amélia é contra aumento de salário para ministros e parlamentares
A decisão tomada pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal de conceder reajuste em seus próprios vencimentos, a partir do ano que vem, em 16,38%, "é inoportuna e provoca um preocupante efeito-cascata nas despesas públicas. O alerta foi feito…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail