Brasil e EUA assinam acordo para exportação de carne bovina in natura

01/08/2016 - Relações Exteriores


Expectativa é aumentar em US$ 900 milhões os ganhos com exportações

Brasil e EUA assinam acordo para exportação de carne bovina in natura

Os governos do Brasil e dos Estados Unidos formalizaram nesta segunda-feira (1º) a abertura do mercado norte-americano para a carne bovina in natura brasileira. A previsão é que os primeiros embarques do produto comecem daqui a três meses e a expectativa é de aumentar em US$ 900 milhões os ganhos com exportações.

A presidente da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária no Senado, senadora Ana Amélia (PP-RS), lembrou que o Rio Grande do Sul também será beneficiado, pois tem frigoríficos habilitados para exportar carne aos Estados Unidos em Bagé, Santa Maria e Alegrete.

Com a chamada “equivalência dos controles oficiais de carne bovina”, tanto o Brasil poderá vender o produto ao mercado norte-americano, quanto os Estados Unidos para o brasileiro.

Atualmente, o Brasil vende apenas carne bovina industrializada para os EUA. O país tem exigências sanitárias que impediam a assinatura do acordo de hoje desde o início das conversas, em 1999.

De acordo com o governo, os frigoríficos brasileiros terão uma cota de até 64,8 mil toneladas por ano de carne fresca e congelada para exportar aos Estados Unidos.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11 de set
Seminário reúne empresários e parlamentares do Brasil e da Argentina em São Paulo
A senadora Ana Amélia (PP-RS) representou a Comissão de Relações Exteriores do Senado, nesta segunda-feira (11), no 1º  Seminário Internacional, que reuniu empresários, governos e parlamentares do Brasil e Argentina para discutir mecanismos mais eficientes no…

24 de ago
CRE debate com diretor da OMC as perspectivas comerciais na globalização
O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, esteve na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) nesta quinta-feira (24) para debater as perspectivas comerciais no atual cenário globalizado. Azevêdo explicou que, desde 2008, a economia global não retomou…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail