"Big Data" da agricultura são estratégicos para melhorar logística e gestão do agro, diz especialista

17/04/2018 - Agricultura


Debate, requerido por Ana Amélia, tratou das estatísticas da preservação e competitividade na agricultura

Os dados sobre o elevado nível da produção agrícola brasileira, chamados também de "big data do agro", aliados à proteção e preservação nativa, foram apontados como estratégicos para a definição de políticas da agricultura nacional pelo chefe da Embrapa Territorial, Evaristo Miranda, na última terça-feira (17). Em debate na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (CRA), requerido pela Senadora Ana Amélia (PP-RS), Miranda afirmou que mesmo ocupando uma parcela relativamente pequena do território nacional, a agropecuária brasileira avançou graças ao desenvolvimento de um sistema de inteligência territorial que tem atraído atenção internacional e facilitado o investimento privado. Miranda foi convidado para falar sobre a macrologística da agropecuária brasileira, sistema lançado em março pelo Ministério da Agricultura.

— Isso é a agricultura real. Agricultura que está vinculada à tecnologia. E está tendo muito investimento privado agora em logística. Isso vai evoluir muito — afirmou.

Ferramenta desenvolvida pela Embrapa, o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária integra diferentes bancos de dados com informações sobre áreas de produção, gargalos e oportunidades de investimentos em logística. O objetivo é identificar rotas e modais de transporte para escoar a produção do agronegócio.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) afirmou que há pouca informação confiável na questão do marco territorial e da ocupação dos espaços.

— Isso permite o uso indevido de um discurso ideológico que acaba por contaminar um debate que deveria ser feito com base na realidade e no bom senso — disse.

Ana Amélia também enfatizou o papel do agricultor no crescimento econômico. O agronegócio representou mais de 21% do PIB  brasileiro em 2017.

As unidades protegidas no Brasil equivalem a 15 países da União Europeia e o país possui quase 3 milhões de hectares de áreas quilombolas e 9,5 mil assentamentos. 

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail