Audiência da Comissão de Agricultura debate projeto sobre análise de produtos importados

26/11/2015 - Agricultura


Autoridades participaram de debate, presidido pela senadora Ana Amélia, nesta quinta-feira (26)

Audiência da Comissão de Agricultura debate projeto sobre análise de produtos importados

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), presidida pela senadora Ana Amélia (PP-RS), realizou audiência pública, nesta quinta-feira (26), sobre o projeto que propõe submeter todos os produtos agropecuários importados a análises sanitárias, em substituição ao atual controle por amostragem.

O debate ajudará os senadores na votação do PLC 49/2015, que obriga a realização de análise de resíduos de agrotóxicos e outras substâncias tóxicas em todos os produtos agropecuários importados, bem como seus derivados e subprodutos, in natura ou semiprocessados.

De acordo com Fátima Chieppe Parizzi, coordenadora-geral de Qualidade Vegetal, da secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a estratégia brasileira para análises em alimentos importados tem orientação científica mundialmente adotada.

A coordenadora explicou que o plano de controle de resíduos e contaminantes, adotado pelo Ministério da Agricultura, prevê coleta de amostras por cadeia produtiva em função do risco, do consumo do produto e do volume importado. Os produtos, disse, são certificados nos pontos de entrada, podendo ser recusados, se não atenderem às normas, aceitos para o mercado interno ou retidos para adequação, havendo ainda possibilidade de rastreamento posterior, se necessário.

No mesmo sentido, o chefe da Divisão de Agricultura, do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Braz Baracuhy, observou que, se o país passar a inspecionar a totalidade das importações, terá também que fazer isso em toda a produção nacional, ou estará descumprindo regra de reciprocidade da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Concorrência

Presente ao debate, o autor do projeto, deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), argumentou que os produtores rurais brasileiros enfrentam a importação de produtos que têm preço menor pelo custo de produção mais baixo, em função de regras sanitárias que seriam mais brandas nos países de origem.

Como exemplo, ele citou o arroz e o trigo importados da Argentina, do Uruguai e do Paraguai, países que permitiriam o uso de agrotóxicos proibidos no Brasil.

— É permitido comermos trigo e arroz importado da Argentina, mas não podemos importar defensivos que eles usam na produção, que são muito mais baratos? — questionou.

Também a senadora Ana Amélia apontou dificuldades dos agricultores com esse tipo de concorrência, como acontece não apenas com trigo e arroz, mas também com outros produtos, como a maçã importada da China.

Para Marcos Otávio Prates, representante do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a solução não está no controle exaustivo dos produtos importados, medida que considera impraticável, frente às 60 milhões de toneladas de alimentos que o país importa por ano.

Ele reconheceu que as relações comerciais entre os países não são simétricas, mas ressaltou que a reciprocidade é a regra do comércio internacional e que o controle sobre toda a importação está na contramão da prática internacional e do esforço do país para ampliar acesso a mercados.

Autor do requerimento propondo o debate, o senador Donizeti Nogueira (PT-TO) concordou com os especialistas quanto ao equívoco das exigências previstas no projeto, mas apontou a necessidade de medidas para proteger a produção agrícola, como o aumento das tarifas de importação.

Já os senadores Waldemir Moka (PMDB-MS) e Flexa Ribeiro (PSDB-PA) dizem ser preciso aumentar o rigor com produtos importados, alegando que os países que compram produtos agropecuários brasileiros frequentemente impõem barreiras para proteger seus agricultores.

O PLC 49/2015 está pronto para votação na CRA, onde recebeu voto favorável do relator, senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), que apresentou substitutivo para incluir as medidas propostas no texto original na Lei de Agrotóxicos (Lei 7.802/1989) e não em lei específica, como propõe Luis Carlos Heinze.

Fonte: Agência Senado e Assessoria de Imprensa


Mais notícias:

11/12/2018
Senado aprova novo limite para compra de leite de pequenos agricultores
O Plenário aprovou emenda da Câmara dos Deputados ao projeto que estabelece um novo limite de aquisição de leite no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal (ECD 1/2018). Conforme o texto aprovado, o limite mínimo passa a…

05/12/2018
Aprovada urgência para projeto que garante compra mínima de leite de agricultores familiares
O Plenário vota na próxima terça-feira (11) o projeto que obriga o governo federal a realizar compras mínimas de leite produzido por agricultores familiares. O texto em pauta assegura a aquisição de pelo menos 35 litros por dia. O autor…

Acompanhe NOSSO TRABALHO
nas redes sociais

Receba novidades e informações no seu e-mail